Politica

Ano lectivo. Governo estuda cenário de aulas em versão tele-escola

Primeiro-ministro admitiu esta quarta-feira que "cenário menos mau" seria a possibilidade reabrir escolas ainda em maio. Decisão será tomada dia 9 de abril.

A ordem  é simples: “O máximo de contenção com o mínimo de perturbação”. O primeiro-ministro, António Costa, voltou a usar este argumento para falar do futuro do ano letivo num programa de entretenimento: o Programa da Cristina, na SIC.  O cenário “menos mau”, admitiu o governante, será o de reabrir as escolas em maio. Mas o grau de incerteza é grande e está dependente da evolução da epidemia da covid-19, da avaliação dos especialistas no próximo dia 7, e dos números da pandemia, que se avaliam todos os dias. Assim, só no dia 9 de abril haverá um retrato mais completo para se perceber se é possível reabrir escolas ( e em que condições). 
Assim, o Governo está a estudar uma alternativa: “Para todos os níveis educativos, estamos a trabalhar numa solução de rede de segurança, porque sabemos que muita gente não tem acesso aos conteúdos e às aulas que têm estado a ser ministrada online por computador”. E a solução passa pela “ Televisão Digital Terrestre (TDT), que é acessível a toda a gente”, explicou António Costa no referido programa de entretenimento, o mais visto em Portugal.
O objetivo é “salvar o ano,  assegurando a todos a maior justiça na avaliação, mas também as melhores oportunidades de terem o acesso educativo, porque a escola não é só avaliação. É também o conjunto de aprendizagens que se adquirem”, argumentou António Costa, sinalizando o que já se sabe. “Este é um ano absolutamente extraordinário”, concluiu o primeiro-ministro.
Em relação ao recurso à tele-escola, Costa adiantou que não será uma tarefa fácil, a começar com o número de disciplinas. “Quando havia tele-escola havia meia dúzia de disciplinas, mas agora há dezenas de disciplinas e é muito difícil organizar grelhas”, lembrou Costa, aludindo a experiência passada, quer na década de 70, quer na década de 80.
A tele-escola chegou a funcionar entre 1965 e 1987 e era transmitida pela RTP.