O Mundo em Calções

Dois tiros no relógio da torre da igreja

Pancho Villa morreu precisamente dois anos e cinco dias depois de Pancho Villa ter sido assassinado com 40 tiros 
de espingarda.

Dois tiros no relógio da torre da igreja

Pancho Villa bem pôde esperar pelo comboio carregado de gente, muitos perigosamente equilibrados nos tetos das carruagens, que vinha de Colima, lá na costa do Pacífico, a caminho de Guadalajara. Tinha acabado de ocupar a cidade num gesto de teimosia que o levava a querer conduzir a revolução para além dos limites da revolução, mesmo depois de ter contribuído para a queda do general Victoriano Huerta, El Chacal, e ter visto o seu antigo camarada de armas Venustiano Carranza tomar o lugar de presidente. Pancho Villa enchia o peito de ar e continuava a combater. Por isso era Pancho Villa e não José Doroteo Arango Arámbula, aquele outro ele que os pais deram ao mundo em La Coyotada, San Juan del Río, Durango, no dia 5 de junho de 1878.
 

Leia o artigo na íntegra na edição impressa do SOL.

Os comentários estão desactivados.