Sociedade

Mãe de Valentina fala sobre morte da filha: "Acho que viu algo na casa e o pai, com medo, calou-a"

Sónia Fonseca garante que a menina gostava de ir para casa do pai e que nunca regressou com sinais de maus-tratos.

Sónia Fonseca, mãe de Valentina, a menina de nove anos que foi assassinada pelo pai e pela madrasta em maio, em Peniche, acredita que a filha foi morta porque viu “algo na casa”.

Em entrevista à SIC Notícias, Sónia Fonseca disse que a criança vinha "sempre feliz de casa do pai", na Atouguia da Baleia, e questionava sempre quando podia regressar.

"Quando a ia buscar para minha casa, perguntava sempre quando voltava. E nunca me apareceu com nódoas ou sinais de maus-tratos. Uma vez disse-lhe que queria ficar com ela um fim de semana e ela respondeu: ‘Para quê. És uma seca. Que fico aqui a fazer? Lá tenho os meus manos e vou para a praia com o meu pai e a minha Márcia [madrasta]’, contou.

Sónia Fonseca recordou a última conversa que teve com a menina, a 3 de maio, dia em que se assinalou o Dia da Mãe, e garante que a filha lhe disse que “estava tudo bem”

"Disse-me que estava tudo bem. Perguntei-lhe se queria vir passar uma temporada comigo e ela disse que não, que estava tudo bem. 'Xau mãe. És uma chata. Gosto muito de ti'. Foram as últimas palavras que lhe ouvi", lembrou.

"Por que a mataram? Acho que viu algo na casa e o pai, com medo que ela dissesse, calou-a", rematou.

Recorde-se que o corpo de Valentina foi encontrado no dia 10 de maio, num pinhal. O pai, Sandro Bernardo, e a madrasta, Márcia Bernardo, são os principais suspeitos do crime.