Desporto

1950. Tristeza, por favor vá embora...

Há 70 anos, no Maracanã, o Uruguai venceu o Brasil perante 200 mil pessoas e roubou um título de campeão mundial que parecia feito de encomenda. Nelson Rodrigues chamou-lhe ‘A nossa Hiroxima’. Crónicas de dor e de emoção.

Em 2002, no dia a seguir ao Brasil ter batido a Alemanha em Yokohama e se ter tornado na única seleção cinco vezes campeã do mundo, cruzei-me com Tostão no aeroporto de Narita, Tóquio. Meti conversa. Tostão é uma figura única do futebol brasileiro e universal.

O homem que inventava tabelinhas com Pelé e teve de abandonar o jogo por causa de um descolamento de retina, tornou-se médico e um dos mais talentosos colunistas da imprensa brasileira, escrevendo para a Folha de São Paulo e para o Diário de Minas. Quando nos despedimos, soltou um lamento meio cómico meio trágico: «Por mais que ganhemos campeonatos do mundo nunca ganharemos aquele de 1950». Depois vi-o desaparecer por entre a multidão no seu passo curto.

Nelson Rodrigues, provavelmente o maior cronista que se debruçou sobre futebol, chamou àquele terrível 16 de Julho ‘A nossa Hiroxima!’ Nelson tinha uma incontrolável tendência para o exagero, mas a verdade é que a derrota perante o Uruguai foi uma tremenda machadada no espírito positivo e otimista do povo brasileiro. Ainda por cima, o Brasil nem tinha de ganhar.

Leia o artigo na íntegra na edição impressa do SOL. Agora também pode receber o jornal em casa ou subscrever a nossa assinatura digital.