Politica

Remodelação. Jamila não pediu para sair e ficou "muito supreendida"

Jamila Madeira, Secretária de Estado adjunta e da Saúde cessa esta quinta-feira funções no Governo. Foi a surpresa da mini-remodelação que envolve seis secretarias de Estado. A antiga líder da JS não pediu para sair do Executivo e mostrou-se mesmo surpreendida com a "opção da senhora ministra da Saúde".

Jamila Madeira era (até esta quinta-feira) a secretária de Estado Adjunta e da Saúde. O rumor de uma remodelação de secretários de Estado corria desde há quinze dias quando se soube que José Apolinário (secretário de Estado das Pescas) seria candidato à Comissão de Coordenação e  Desenvolvimento Regional do Algarve. O que não se espera era a saída de uma governante da pasta da Saúde, tutela crucial no combate à pandemia da covid-19. Mas Jamila Madeira abandona o Executivo.

Contactada pelo i ( e questionada se pediu para sair), a governante respondeu: "Não pedi para sair e naturalmente fiquei muito surpreendida com a opção da senhora Ministra da Saúde! Mas saio de consciência tranquila de missão cumprida com a certeza de que fiz tudo o que estava ao meu alcance num ano particularmente inedito! Faço votos que para o XXII governo, liderado por António Costa, com quem tive muito orgulho em trabalhar e para o país tudo continue a correr pelo melhor! A bem de todos!". Agora, Jamila Madeira voltará ao Parlamento para reassumir o seu mandato de deputada do PS.

Para o seu lugar no Governo irá António Lacerda Sales, que já era secretário de Estado da Saúde. É uma promoção. 

No Governo e no PS, a saída de Jamila Madeira foi apontada como uma exigência de Marta Temido, segundo avançou o Público. Já Susana Amador, por exemplo, sai por motivos pessoais, da secretaria de Estado da Educação.

A maioria dos novos secretários de Estado já foi (ou esteve) nos governos do PS em vários gabinetes, quer como chefes de gabinete, quer com assessores.