Sociedade

Filho de António Costa paga táxis para levarem refeições ao domicílio

Pedro Costa, presidente da junta de Campo de Ourique, apoia restaurantes locais durante fins de semana e feriados com recolher obrigatório.

A Junta de Freguesia de Campo de Ourique (Lisboa), presidida por Pedro Costa – filho do primeiro-ministro, António

Costa –, vai disponibilizar táxis para que os restaurantes locais possam transportar gratuitamente refeições até casa dos seus clientes nos próximos fins de semana e feriados, em que vigora o recolher obrigatório a partir das 13h00 (e até às 05h00).

A medida não é, aliás, inédita, uma vez que já tinha sido anunciada a nível concelhio em localidades como Famalicão, Matosinhos, Condeixa, Grândola, Vizela ou Nelas – merecendo mesmo prontos elogios da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP).

A decisão de Pedro Costa, que lidera a junta de Campo de Ourique desde o último mês de junho – após a renúncia do anterior presidente e deputado do PS Pedro Cegonho, eleito nas autárquicas de 2017 –, tem como objetivo permitir que os restaurantes que não têm meios para entregar comida ao domicílio possam fazê-lo sem que sejam obrigados a pagar as comissões praticadas pelas plataformas que operam esse serviço em Portugal (agravando assim os seus custos).

Recorde-se que nos próximos fins de semana e feriados (1 e 8 de dezembro), os restaurantes estão impedidos de ter portas abertas a partir das 13h00, não podendo sequer vender refeições para consumir fora, em sistema de take-away, uma medida no âmbito do estado de emergência para evitar a propagação da covid-19, mas que tem motivado muita contestação entre o setor.

 

Manif em preparação

Entretanto, o movimento “A Pão e Água” continua a preparar a manifestação prevista para quarta-feira à tarde, frente à Assembleia da República. Em mensagens a que o i teve acesso, os organizadores da iniciativa apelam à mobilização dos setores da “restauração, noite, pequeno comércio, cultura, turismo e hotelaria”, mas também de “todos aqueles que se quiserem juntar” ao protesto. A organização já disponibilizou autocarros gratuitos para quem quiser deslocar-se à capital, com saídas previstas do Porto, Vila Real, Vale do Sousa, Coimbra e Aveiro.