Economia

TAP. Governo admite que companhia aérea pode precisar de financiamento de mais de 3,7 mil milhões até 2024

O ministro das Infraestruturas esclareceu que estas são as necessidades de financiamento da companhia aérea, o que “não quer dizer que tem de ser com garantia pública”. "Gostávamos que TAP se conseguisse financiar no mercado", esclareceu.


O Governo apresentou esta sexta-feira o plano de reestruturação da TAP – que está, desde ontem, nas mãos da Comissão Europeia. Em conferência de imprensa, o ministro Pedro Nuno Santos confirmou que a companhia aérea terá ainda necessidades de financiamento de 3414 a 3725 milhões de euros até 2024.

O ministro das Infraestruturas esclareceu que estas são as necessidades de financiamento da companhia aérea, o que “não quer dizer que tem de ser com garantia pública”. "Gostávamos que TAP se conseguisse financiar no mercado", esclareceu.

Numa longa explicação, Pedro Nuno Santos adiantou que depois do empréstimo do Estado de 1,2 mil milhões de euros este ano, a TAP vai precisar entre 970 e 1164 milhões de euros em 2021.

A empresa vai ainda precisar de financiamentos entre 463 e 503 milhões em 2022, entre 379 e 438 milhões em 2023 e entre 392 e 420 milhões em 2024. O plano de recuperação prevê que o break even operacional – ou seja, quando a operação passar a representar ganhos – será atingido em 2023. Segundo o plano, companhia já terá um resultado operacional positivo em 2024, embora ainda tenha necessidades de financiamento. "Em 2025 [a TAP] estará em condições de começar a devolver dinheiro ao Estado", afirmou o ministro.  

(Em atualização)

Os comentários estão desactivados.