Politica

Vitorino Silva pede "humildemente" mais um voto do que há cinco anos

Vitorino Silva não desanima e afirmou confiar que vai conseguir alcançar o seu grande objetivo, que passa por somar mais um voto aos alcançados há cinco anos – quando obteve cerca de 150 mil. "Eu acredito que mereço mais um voto", disse.


Vitorino Silva fechou a campanha eleitoral em Rans, concelho de Penafiel, terra de onde é natural e onde reside. Acompanhado pelos jornalistas, Tino, como é conhecido, recordou a última vez que viu o seu pai com vida, quando tinha apenas nove anos, ilustrando desta forma as dificuldades que enfrentou ao longo da vida e também desta corrida presidencial.

Num dos pontos mais elevados da localidade, Vitorino Silva fez o seu discurso de final de campanha. "A campanha não ficava completa se eu não viesse aqui. Eu fiquei sem pai com nove anos de idade e nunca tive um psicólogo. Era aqui que vinha, no fundo, descarregar as baterias. Foi aqui que eu vi o meu pai pela última vez", relatou. "Vim aqui para dizer que mesmo sem pai, e que nunca tive padrinhos, uma pessoa pode concorrer a Presidente da República de igual para igual", disse o candidato.

No último dia de campanha, Vitorino Silva passeou pelas ruas de Rans, no que foi uma homenagem à sua terra. "Eu não tenho vergonha das raízes, não tenho vergonha dos meus e os meus estão aqui. Saí à rua, não pedi o voto a ninguém, porque tenho de estar em casa e isto é uma divisão da minha casa", afirmou.

Embora surja na cauda da contagem de votos em todas as sondagens realizadas até ao momento, Vitorino Silva não desanima e afirmou confiar que vai conseguir "humildemente" alcançar o seu grande objetivo, que passa por somar mais um voto aos alcançados há cinco anos – quando obteve cerca de 150 mil. "Eu acredito que mereço mais um voto", finalizou.