Economia

Azeitona. Produção deverá cair 25% este ano

Ainda assim, “as 734 mil toneladas previstas posicionam esta campanha como a sexta mais produtiva das últimas oito décadas”.

A produção de azeitona deverá cair 25% este ano, “essencialmente devido ao fraco vingamento dos frutos”. As previsões são do Instituto Nacional de Estatística (INE) que revela que, apesar da quebra, “as 734 mil toneladas previstas posicionam esta campanha como a sexta mais produtiva das últimas oito décadas”.

O INE avança ainda que, nos cerrais de outono / inverno, decorreram com “atrasos pontuais”, em particular nos solos mais sujeitos a encharcamento, “apresentando um desenvolvimento normal para a época”.

O gabinete de estatística estima ainda que haja uma redução de 5% da área semeada de centeio face ao ano passado e a manutenção dos restantes cereais (trigo, triticale, cevada e aveia).

Ora, com a colheita de azeitona “praticamente concluída”, os “cenários são regionalmente heterogéneos”, diz o INE, acrescentando que, “de uma forma geral, no início do ciclo e após uma boa floração”, o vingamento não aconteceu “nas melhores condições”.

“No entanto, no interior Norte e Centro, a precipitação que ocorreu próximo do final do ciclo produtivo dos olivais conduziu a um aumento do calibre da azeitona, proporcionando uma recuperação em muitos olivais tradicionais de sequeiro, perspetivando-se aumentos de produção face a 2019”, explica no INE.

Mas, no Alentejo, “região onde os olivais modernos de regadio têm um peso muito significativo”, foram as condições iniciais, nomeadamente o vingamento, que determinaram a evolução da campanha, “menos produtiva que a anterior”.

O gabinete de estatística diz ainda que é de salientar que, “apesar do rendimento da azeitona em azeite (funda) ser menor que o alcançado no ano anterior, o produto final apresenta qualidade organolética e química dentro dos parâmetros normais”.