Sociedade

Seis anos de prisão para incendiário que foi ilibado do fogo que matou mais de 70 cães em Santo Tirso

Dos 62 incêndios de que o eletricista estava acusado, só foi condenado por quatro. O tribunal não deu como provado que fosse o autor do fogo no canil em Santo Tirso.

O tribunal de São João Novo, no Porto, condenou, esta quinta-feira, a seis anos de prisão um homem por ter ateado quatro incêndios florestais, nos concelhos de Valongo e Paredes entre maio e agosto de 2020.

O arguido, um eletricista de 29 anos, estava acusado de atear 62 incêndios no distrito do Porto, mas o tribunal só reconheceu a sua autoria em quatro, sendo que o próprio confessou três.

Entre as acusações de que foi ilibado, está o incêndio que matou 75 animais, cães e gatos, numa zona serrana de Santo Tirso, em julho de 2020.

"O tribunal não está aqui para escolher incêndios", disse a presidente coletivo de juízes.

A magistrada recordou também que o caso do incêndio na serra da Agrela, que atingiu o canil de Santo Tirso, está a ser alvo de processo autónomo, relacionado com maus-tratos aos animais.