Sociedade

Câmara de Lisboa não autoriza arraiais. "É a decisão sensata"

Rui Rio concorda que “não há condições para festejar os Santos Populares. Iniciativa Liberal mantém “arraial liberal” e critica Medina.


O Governo discute esta quarta-feira as regras para as próximas semanas, que abrangem os Santos Populares, mas a Câmara de Lisboa já decidiu que não vai autorizar a realização de arraiais populares devido à pandemia.

Fernando Medina explicou que a decisão mais “sensata” passa por voltar a impedir os festejos. “Infelizmente, este ano não vamos poder ter arraiais, não vamos poder ter as comemorações do Santo António com arraiais, dada a situação que vivemos”, disse, em declarações à agência Lusa, o presidente da câmara de Lisboa.

Fernando Medina defendeu que esta é “a decisão sensata nesta fase da pandemia em que são precisos ainda cuidados”.

Os arraiais “não vão ser licenciados nem pela câmara nem por juntas de freguesia e, por isso, a fiscalização cabe às autoridades, quer à Polícia Municipal, quer à Polícia de Segurança Pública”, esclareceu.

Confrontada com a decisão da câmara de Lisboa, Graça Freiras concordou que “não podemos, de maneira nenhuma, perder aquilo que já conquistámos”., mas admitiu que “tudo pode ser feito desde que haja contenção”.

A diretora-geral da Saúde voltou a alertar que só é possível realizar “determinados eventos” se conseguirmos garantir que as regras são respeitadas. “Se não conseguirmos garantir essa contenção, então é preferível abstermo-nos”, afirmou Graça Freitas.

A decisão de travar a realização de arraiais foi apoiada por Rui Rio. O presidente do PSD defendeu “não há condições para festejar os Santos Populares nos termos em que todos estamos habituados desde pequeninos”.

Rui Rio alertou ainda que estas festas envolvem “aglomerados e aglomerados de pessoas e, portanto, mais vale fazermos o sacrifício neste momento de não termos o Santo António, não termos o São João e conseguirmos segurar a pandemia do que numa noite ou em duas noites estragarmos tudo o que temos vindo a conseguir”.

Questionado sobre a decisão de Rui Moreira sobre o São João, o líder do PSD garantiu que “se fosse presidente da câmara do Porto ou de outro lado qualquer não criava condições que atraíssem as pessoas a vir para a rua, neste caso no Porto”.

Rui Moreira garantiu esta segunda-feira que “São João haverá sempre” e que vão ser criadas três zonas de diversões em sintonia com as regras da Direção-Geral de Saúde (DGS) Não haverá concertos na avenida e fogo-de-artifício.

A Iniciativa Liberal mantém a decisão de promover um arraial em Lisboa. “O importante é que todas as associações, restaurantes e similares possam organizar os seus festejos populares, seja no formato de arraial ou outro. O Arraial Liberal que iremos realizar será apenas mais um a ter lugar. Quantos mais existirem, mais serão evitadas concentrações”, diz ao i fonte da candidatura dos liberais à câmara de Lisboa.

O candidato da IL anunciou que o partido irá organizar um “Arraial Liberal”, na zona de Santos, em Lisboa, na véspera do dia de Santo António, 13 de junho.

Bruno Horta Soares desafiou Fernando Medina a libertar a Avenida da Liberdade para os convívios sociais. Os liberais criticam a decisão da câmara e acusam Fernando Medina de não conseguir inovar no combate à pandemia. “Se Medina acha que as pessoas vão ficar fechadas em casa, numa permanente cultura do medo, é porque insiste em recusar a realidade”.

“Infelizmente não há condições para festejar os Santos Populares nos termos em que todos estamos habituados desde pequeninos. Mais vale fazermos o sacrifício neste momento do que estragarmos tudo”