Sociedade

Armando Vara com direito a saída precária estará presente amanhã em julgamento

Ex-administrador bancário está acusado de branqueamento de capitais em processo separado do caso Operação Marquês.


O antigo ministro Armando Vara, a cumprir pena de prisão no caso Face Oculta, teve direito, esta terça-feira, a uma saída precária da cadeia, na véspera do seu julgamento em processo separado da Operação Marquês, confirmou fonte judicial.

Segundo a mesma fonte, a saída precária é de três dias e Armando Vara estará "fisicamente presente" na quarta-feira de manhã no Campus de Justiça, Lisboa, onde se inicia o seu julgamento por um crime de branqueamento de capitais, num processo que foi separado do caso Operação Marquês.

O julgamento de Armando Vara, que já tem uma segunda audiência marcada para 16 de junho, deverá concretizar-se, já que a defesa não apresentou qualquer requerimento ou contestação em sentido contrário.

Armando Vara, que foi administrador da Caixa Geral de Depósitos (CGD), estava acusado no processo Operação Marquês de crimes de corrupção, branqueamento e fraude fiscal qualificada, mas, por decisão instrutória do juiz Ivo Rosa, conhecida a 9 de maio, vai agora ser julgado em processo separado unicamente por um crime de branqueamento de capitais.