Sociedade

Covid-19. Registada maior subida de casos ativos desde 25 de julho

Lisboa e Vale do Tejo volta a ultrapassar o Norte (30,5% de infetados) com 36,6% dos novos casos.


Segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS) deste domingo, Portugal registou, nas últimas 24 horas, 2.217 novos casos de covid-19 (2.571 ontem) e 13 mortes associadas à doença, ou seja, mais uma do que no sábado. Neste momento, o país contabiliza 45.367 casos ativos, sendo esta a maior subida verificada desde 25 de julho: 8.181 nos Açores (mais 51), 11.126 na Madeira (mais 55), 387.032 na região Norte (mais 678), 133.496 na região Centro (mais 199), 391.703 em Lisboa e Vale do Tejo (mais 813), 35.391 no Alentejo (mais 149) e 36.406 no Algarve (mais 272). Assim, Lisboa e Vale do Tejo volta a ultrapassar o Norte, estando com 36,6% dos novos casos. Do total de casos registados desde março do ano passado, 461.794 dizem respeito a homens - a maioria entre os 20 e os 29 anos -, 540.845 a mulheres - a maioria na faixa etária compreendida entre os 40 e os 49 anos - e 696 são de sexo desconhecido, encontrando-se "sob investigação, uma vez que estes dados não são fornecidos de forma automática", como explica a DGS.

Neste momento, existe um total de 940.406 da doença, isto é, mais 1.030 do que ontem. Já naquilo que diz respeito aos óbitos, há a lamentar 17.562, tendo existido um aumento de 13 nas últimas 24 horas. É de realçar que oito das 13 mortes registadas nas últimas 24 horas foram de pessoas com 80 ou mais anos (cinco mulheres e três homens). Na faixa etária anterior, dos 70 aos 79 anos, há a registar a morte de 4 homens e, na dos 60 aos 69 anos, de uma mulher. Na totalidade, 9.222 homens e 8.340 mulheres perderam a vida para o novo coronavírus.

Naquilo que concerne os internamentos, estes aumentaram e tal tem vindo a ser habitual nos boletins veiculados ao domingo, na medida em que, aos fins de semana, existe a tendência de serem dadas menos altas. Atualmente, existem mais 17 indivíduos internados, sendo o total 744. No entanto, nas unidades de cuidados intensivos, deu-se uma redução e e encontram-se 157 pessoas nas mesmas, menos quatro do que no sábado.​

São 54.851 os contactos em vigilância, tendo havido uma subida de 1.534. A seu lado, os casos confirmados ultrapassam o milhão, situando-se em 1.003.335, portanto, mais 2.217 do que ontem.

Ao nível nacional, a incidência situa-se nos 319,9 casos de infeção por SARS-CoV-2/ COVID-19 por 100 mil habitantes e, quando se tem em conta apenas o Continente, é de 324,6 casos de infeção por SARS-CoV-2/ COVID-19 por 100 mil habitantes. O índice de transmissibilidade ou R(t) nacional é de 0,95, sendo exatamente o mesmo no Continente. Este aumentou, na passada sexta-feira, de 0,94 (a nível nacional e no continente) para 0,95, numa subida lenta que se tem vindo a manifestar desde o passado dia 6 de agosto.