Opiniao

Uma História Enevoada de Portugal Romano - Parte 7 - Superstições e Sobrenatural da Lusitânia

Acredita-se que as crenças e adoração dos povos autóctones tenham sido de natureza animista e naturalista


por Roberto Knight Cavaleiro

Quando Júlio César veio pela primeira vez à costa oeste da Península Ibérica em 60 aC, ele não ficou surpreendido ao encontrar um panteão de mais de sessenta divindades cujas identidades não eram diferentes daquelas que ele assinalou nos registos épicos das suas campanhas militares na Europa Central. Sabiamente, a política que ele iniciou para a ocupação romana pela conquista foi de tolerância e eventual assimilação à Religião Clássica.

Acredita-se que as crenças e adoração dos povos autóctones tenham sido de natureza animista e naturalista, com santidade atribuída a características físicas como a água corrente de rios e nascentes, afloramentos rochosos e grutas, enquanto a adivinhação por augúrios de animais, incluindo humanos, ocorria em altares de pedra frequentemente localizados nas proximidades das antas e menires pelos quais o antigo Portugal é conhecido. Nenhum desses lugares e as divindades associadas a eles têm registos escritos contemporâneos, mas as inscrições foram frequentemente adicionadas em tempos posteriores, usando principalmente o alfabeto latino para atribuir as práticas anteriores.

A localização, transcrição e análise desses escritos tem sido uma tarefa árdua de arqueólogos-detetives como o Professor Alain Tranoy, que concebeu uma história cronológica da religião pré-romana de Portugal, incluindo a importação de divindades pelos celtas, fenícios, gregos, cartagineses e vários tribos de origem indo-européia.

Um exemplo disso é a lenda de uma baleia "de enorme grandeza" que encalhou na costa de Setúbal no ano 550 aC e aterrorizou a população local que a imaginou ser um deus do oceano (talvez o grego Poseidon) para apaziguamento de o que foi conseguido com o sacrifício de uma donzela e um menino cujos corpos desapareceram com a baleia na maré alta. Tamanha foi a importância dada a essa “manifestação” que os sacrifícios foram repetidos anualmente até o advento do Cristianismo e foram registados por historiadores romanos como Estrabão.

Estrabão também nos conta que os guerreiros lusitanos estavam acostumados a massacrar os seus prisioneiros depois de cobri-los com um cobertor grosso e após examinar as entranhas e o fluxo de sangue para que o curso de futuras batalhas pudesse ser augurado. As mãos direitas também foram amputadas para serem oferecidas no altar de Cosus, uma divindade da guerra. Mas tais atos foram descritos nos anais celtas em toda a Europa, então podem ser descontados como sendo apenas uma prática ibérica.

A divindade nativa Nabia assumia várias formas (geralmente feminina) e era associada a nascentes sagradas e aos vales e bosques por onde corriam os rios. Foi provavelmente a sua proteção que deu origem à atribuição das águas do rio Lima como tendo o poder de causar amnésia a quem nelas se submergisse. Diz a lenda local que vários grupos de imigrantes celtas cruzaram o Lima para o deserto do sul da Galicéia para nunca mais serem vistos. Em 137 aC, soldados supersticiosos do exército romano liderados pelo conquistador Décio Júnio Bruto hesitaram em passar até que o seu líder, brandindo o estandarte da Legião, vadeasse o rio e ameaçasse dizimar aqueles que se recusassem a segui-lo! Nabia é frequentemente associada à divindade Reo como consorte ou como seu Nêmesis masculino, mas foi posteriormente identificada pelos romanos com suas deusas Diana e Victoria.

Outra deusa indígena era Epona, considerada a protetora de cavalos, mulas e burros e associada à cornucópia, ao cultivo do trigo e a outros símbolos de fertilidade. Frequentemente, ela é retratada cavalgando como um guia para as almas que entram na vida após a morte. Seus devotos eram numerosos e localizados muito além das terras lusitanas.

Bandua ou Banda também era uma divindade omnipresente de sexo indeterminado, embora a maioria dos epítetos usem o nominativo masculino, enquanto a única representação conhecida numa patera é a de uma mulher com capacete alto, cajado e espigas de milho semelhantes à Fortuna romana. O nome masculino geralmente era associado ao de locais como vicus e fortalezas que recebiam proteção de forças sobrenaturais. Altares aparentemente dedicados à Banda foram encontrados na região de Bemposta, mas as inscrições são frequentemente fragmentadas ou abreviadas, o que levou a crer que o nome poderia incluir outras figuras menores do panteão.

Talvez o nome mais comum encontrado na mitologia lusitana seja o de Endovelicus, que se especializou na cura como guardião da boa saúde. Ele também parece ter sido a voz de vários oráculos e começou como um deus relativamente menor do submundo que se tornou cada vez mais popular entre os celtas e os romanos.

A investigação etimológica mostra que a região a norte do Douro nomeava cerca de trinta divindades enquanto entre esse e rio Tejo a diversidade era ainda maior. Mas, curiosamente, parece ter havido uma fronteira religiosa no rio Vouga que corre para leste de Aveiro a Mangualde porque alguns nomes divinos se confinam a norte e outros a sul destas águas que talvez fossem guardadas pela Nabia. A sul do Tejo (actuais Alentejo e Algarve) apenas são enumerados por Tranoy os nomes de Endovelicus e cinco obscuras divindades menores, o que possivelmente se deve ao carácter cosmopolita desta região tartessiana.

Na Parte 8, examinaremos as crenças e superstições do Portugal romano após Júlio César.

 

Ilustrações

Epona

Endovelicus

Reo

Bandua