Politica

Firmino Pereira, antigo líder do PSD de Gaia, apelou ao boicote nas eleições para a concelhia do partido

O ex-líder destacou ainda que Cancela Moura devia renunciar ao mandato de vereação na Câmara de Gaia “por respeito aos 22.407 eleitores que votaram no PSD porque demonstra, mais uma vez, não ter caráter e atitude de cidadania para estar sentado no órgão executivo”. 


O antigo vice-presidente de Luís Filipe Menezes apelou hoje ao boicote nas eleições para a concelhia do PSD de Vila Nova de Gaia depois da demissão do atual líder, Cancela Moura, que acusou de ter "uma derrota estrondosa e humilhante" nas autárquicas. “Lanço um apelo aos militantes do PSD de Gaia que não participem no ato eleitoral ‘fantoche’ do dia 30 de outubro”, é possível ler numa declaração política a que a agência Lusa teve acesso.

Firmino Pereira, que durante 16 anos exerceu as funções de vereador e de vice-presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, no distrito do Porto, nos mandatos do social-democrata Luís Filipe Menezes, e é há mais de 40 militante do PSD, clarificou que Cancela Moura marcou eleições internas para 30 de outubro sem convocar “qualquer assembleia de militantes onde deveria explicar as razões do seu novo insucesso eleitoral”.

Por outro lado, mencionou que o cabeça de lista à Câmara de Gaia nas eleições do último domingo não pode concorrer à concelhia nesta eleição porque “os estatutos o impedem por ter exercido três mandatos consecutivos”. “Cancela Moura fugindo ao debate e ao contraditório assume-se como um líder à moda da Coreia do Norte, não permitindo espaço à liberdade de opinião nem à construção de um projeto alternativo. Cancela Moura, com o seu apurado requinte antidemocrático, vai arranjar agora um ‘pau de vassoura’ que seja o continuador do seu legado de destruição e ruína em que deixa o PSD de Gaia”, redigiu, sendo que indicou igualmente que Cancela Moura marcou “o mais cedo possível eleições para a concelhia evitando a existência de qualquer alternativa”. “O PSD de Gaia morreu nas mãos de Cancela Moura, resta a Cancela Moura como verdadeiro ‘agente funerário’ conduzir o cadáver do PSD de Gaia ao crematório para que possa ficar com as suas cinzas”, acrescentou.

O ex-líder destacou ainda que Cancela Moura devia renunciar ao mandato de vereação na Câmara de Gaia “por respeito aos 22.407 eleitores que votaram no PSD porque demonstra, mais uma vez, não ter caráter e atitude de cidadania para estar sentado no órgão executivo”. “Os militantes de Gaia não têm um partido livre e aquilo que têm é um partido pessoal e de laivos de ditadura que é conduzido por um militante que está a mais na vida política partidária”, concluiu. Recorde-se que, no início de setembro, o Nascer do SOL escreveu que a desistência da candidatura, pelo PSD, de António Oliveira, antigo selecionador nacional de futebol teve como principal motivo divergências com o seu substituto, Cancela Moura. O ex-candidato, que havia sido desafiado pessoalmente por Rui Rio, contava que, ao longo de três meses, fora “sujeito a pressões, intimidações e ameaças”.

O PS, liderado por Eduardo Vítor Rodrigues, venceu as eleições autárquicas de domingo em Vila Nova de Gaia, segundo os dados provisórios do Ministério da Administração Interna.