Sociedade

Diretor do Centro Hospitalar de Setúbal demite-se um mês depois do diretor do serviço de Obstetrícia

Nuno Fachada tomou a mesma decisão do diretor do serviço de Obstetrícia do Hospital de Setúbal, Pinto de Almeida, que, em agosto, também se demitiu do cargo devido à falta de profissionais, o que obrigou ao encerramento da urgência naquele mês, revelou a Ordem dos Médicos.


Depois de há pouco mais de uma semana a Ordem dos Médicos (OM) ter constatado que o hospital de Setúbal tinha, no dia 20 de setembro,  47 doentes em macas nos corredores do serviço de urgência, situação que atribuiu à "carência crónica" de clínicos, agravada nos últimos anos, o diretor clínico do Centro Hospitalar de Setúbal, Nuno Fachada, demitiu-se do cargo. O dirigente justificou a decisão com a situação de rotura nas urgências, entre outros motivos. À agência Lusa, o diretor confirmou a demissão, mas não quis prestar, para já, mais declarações. O Centro Hospitalar de Setúbal também confirmou "o pedido de demissão do diretor clínico", avançando somente "que o mesmo seguirá os trâmites normais".

Aos colegas, o médico escreveu que a "situação de rutura e agravamento nas urgências médicas, obstétrica, EEMI [Equipa de Emergência Médica Intra-Hospitalar]", assim como "dificuldades noutras escalas como a pediátrica, cirúrgica, via verde AVC, urgências internas, etc" são algumas das razões, sendo que referiu também a "falta de condições de atratividade dos médicos", "insuficiência ou não abertura de vagas sinalizadas", "dezenas de cortes mensais de salas operatórias" e "rutura em vários serviços por êxodo" de profissionais de várias especialidades.

Nuno Fachada acrescentou ainda a demissão com a "não resposta sobre a requalificação e financiamento do CHS [Centro Hospitalar de Setúbal] para grupo D", "afastamento e colapso dos cuidados primários de saúde, agravando as dificuldades dos doentes", assim como "incertezas quando ao ecletismo, adaptação e capacidade das obras das urgências". "Assim, só restaria a solução de romper com a situação vigente. Romper com a aceitação de continuarmos a ver o estertor do SNS [Serviço Nacional de Saúde], capturado por uma estrutura burocrática pesadíssima e crescente, que asfixia e parasita aquilo que melhor foi feito nas últimas quatro décadas e que tornou Portugal num país avançado, longe das altas taxas de mortalidade infantil e da baixa esperança média de vida", salientou num email institucional enviado aos colegas.

"Agora que assistimos ao abrandamento da pandemia, o benefício da dúvida dado às instâncias para olharem de outro modo para o CHS [Centro Hospitalar de Setúbal], seja na questão dos recursos médicos e outros profissionais, seja na requalificação do CHS, não se cumpriu, antes se agravou", redigiu, sendo que tomou a mesma decisão do diretor do serviço de Obstetrícia do Hospital de Setúbal, Pinto de Almeida, que, em agosto, também se demitiu do cargo devido à falta de profissionais, o que obrigou ao encerramento da urgência naquele mês, revelou a Ordem dos Médicos.

Os comentários estão desactivados.