Sociedade

O que esperar com os casos de covid-19 a subir?

Contenção parece ter travado subida, mas não há descida ainda.


A evolução dos diagnósticos de covid-19 e o aumento da taxa de positividade sugere que o pico de infeções ainda não chegou. Um dos efeitos de que os investigadores estavam à espera na reunião do Infarmed era perceber se a semana de contenção após o Ano Novo terá levado o RT para baixo de 1, invertendo a subida, o que ainda não transparece na evolução dos casos reportados.

Nos últimos sete dias, continua a verificar-se um aumento e ontem o país passou pela primeira vez a barreira dos 40 mil novos casos  em 24 horas. A subida de diagnósticos nos últimos sete dias é de +38% a nível nacional, com maior abrandamento em Lisboa (+25%) mas ainda com tendência crescente.

Óscar Felgueiras, matemático da Universidade do Porto especialista em epidemiologia e um dos peritos das equipas ouvidas no Infarmed, explica que, depois do pico de transmissibilidade no Natal, houve uma quebra rápida, interrompida no Ano Novo, a que se seguiu nova contenção. “É de esperar o retomar de uma descida na transmissibilidade mas sendo ainda incerto que se garanta rapidamente o pico”, diz ao i, acrescentando que a abertura das escolas pode empurrar de novo a subida de contágios, sendo a perspetiva perceber se o travão foi suficiente, o que levaria a um pico entre esta semana e a próxima. Aí chegados, a expectativa, à imagem do que aconteceu noutros países, por exemplo na África do Sul, é que a descida seja rápida.

Nas projeções do IHME, que não refletem medidas nacionais, apenas tendências de mobilidade na população, o pico de infeções pode registar-se esta semana em Portugal, com quase 200 mil infeções diárias – assumem que 90% dos casos são assintomáticos e que só uma fração é detetada. Nas projeções do IHME, que estima que metade dos europeus venha a ser infetado este inverno, pode haver mais de um milhão de infeções na semana de pico da vaga Omicron em Portugal, ou seja, um em cada dez portugueses infetados. 

Os comentários estão desactivados.