Retratos Contados

Pelos Caminhos de Portugal

Para além de levar a cabo essa missão, estas viagens vão servir também para conhecer melhor o nosso país, as nossas tradições e as diferenças entre as regiões. Agora lembrei-me da canção do Mário Gil, Pelos caminhos de Portugal.

Pelos Caminhos de Portugal

Querida avó, como estás?  

Como tem corrido essa estadia pela Ericeira? Tens visto as notícias? As coisas pelos aeroportos têm estado caóticas.

Imensa gente que veio de férias, a Portugal, e que agora está horas no aeroporto para realizarem as viagens de regresso. Uns porque os voos são cancelados (por falta de pessoal), outros porque estão horas para fazer os testes à Covid-19… tem sido bastante complicado.

Por falar em aeroportos: que saudades tenho de viajar!

Como sabes, temos sido muito solicitados para realizar tertúlias em Portugal Continental e Ilhas. Nessas tertúlias, através do nosso livro, levamos os participantes a uma viagem às memórias de Portugal, falamos sobre valorização dos mais velhos, envelhecimento ativo e muito mais.

Para além de levar a cabo essa missão, estas viagens vão servir também para conhecer melhor o nosso país, as nossas tradições e as diferenças entre as regiões. Agora lembrei-me da canção do Mário Gil, Pelos caminhos de Portugal.

Nessa canção, que marcou uma geração, Mário Gil levava os ouvintes a uma viagem a Portugal, onde referia várias vezes «Pelos caminhos de Portugal/ Eu vi tanta coisa linda/ Vi um mundo sem igual».

Começava por referir cidades da região da Grande Lisboa, depois levava-nos a dezenas de cidades de todos os pontos de Portugal continental e ilhas, como não podia deixar de ser.

Realmente, apesar de ser um país tão pequeno, é um país com imensa coisa para descobrir e com diferenças abismais entre regiões.

Um pouco daquilo que pretendo fazer este ano com as tertúlias. Indo a menos locais! Não que não tenhamos fôlego, e vontade, mas não conseguimos ir a todos os locais que gostaríamos em apenas um ano.

Estou aqui a pensar que será interessante ir partilhando essas viagens no nosso ‘Diário’. Desta forma partilhamos locais com interesse, tradições e muito mais.

O que te parece? Vens a Lisboa antes das eleições?

Bjs

 

Querido neto,  Pois é, há muito quem viaje, há quem fique em casa, como dizia a minha avó, cada um é como cada qual.  Antes da pandemia eu não parava em casa. Agora, o mais longe que fui foi a Torres Novas, onde vive o meu filho. E só uma vez. Ericeira-Lisboa e já me chega.

Em miúda também viajava muito: o tio que me criava adorava visitar países diferentes – e sempre de carro, porque tinha um medo pavoroso de aviões. É claro que às vezes as viagens eram um pouco rápidas demais. Lembro-me de termos chegado a Turim, de ele perguntar – como sempre fazia – onde era o centro da cidade, chegar lá, sair do carro, olhar em volta e dizer «está visto». E seguimos logo para outra cidade, que não se podia perder tempo.

Mas uma das viagens que eu gostava mais de fazer era a Mondariz, na Galiza. O meu tio tinha um grande amigo, galego, que lá vivia e, de vez em quando, lá íamos. Ficávamos num hotel minúsculo onde a D.Clara, a dona, tocava piano ao jantar. Aquilo era uma desafinação completa mas todos batíamos muitas palmas.

Foi desde essa altura que fiquei sempre com vontade de fazer o Caminho de Santiago (e havemos de fazer, vais ver!). Havia caminheiras que chegavam ao nosso hotel, apoiadas a um bordão, e eu ouvia-as fascinada. Contavam tudo o que tinham visto. E o que ainda haviam de ver. Lembro-me de pensar ‘hei-de ir com elas!’.

Mas depois ia brincar com o meu amigo Lalo, ligeiramente mais velho que eu e que, para minha grande inveja, vivia lá sempre. O Lalo também era criado por um tio – o tal senhor galego muito amigo do meu.

Os anos passaram, as nossas vidas tomaram outros rumos, Mondariz tornou-se apenas um lugar esquecido no mapa. Só o Lalo continuou meu amigo.

Começou a trabalhar na televisão. Resumindo e concluindo: é o nosso amigo Eládio Clímaco, que tu conheces. E que, para mim é e há-de ser sempre o Lalo. Apesar de ires em trabalho, aproveita ao máximo essas viagens. Pelos caminhos de Portugal vais encontrar coisas sem igual!

Fica bem. Bjs

Os comentários estão desactivados.