Economia

Algarve. Páscoa com cheiro a mar, sol e lotação quase esgotada

Bom tempo e fim de semana prolongado são a junção perfeita para rumar ao Algarve. Mas, além da Páscoa, a próxima semana conta também com um fim de semana prolongado. No país, as outras regiões também contam com boas taxas de ocupação.

Algarve. Páscoa com cheiro a mar, sol e lotação quase esgotada

Os mais novos, já se sabe, aproveitam a Páscoa para as suas viagens de finalistas e optam por Espanha, embora, por vezes, com resultados trágicos (ver pág. 4). Mas nem sempre foi assim: há uma década os estudantes portugueses invadiam o Algarve nas férias da Páscoa e zonas como Albufeira registavam encontros insólitos, quando os mais jovens abandonavam as discotecas já em pleno dia e se cruzavam com os mais velhos a caminho das praias ou nos seus passeios pelas ruas algarvias.

Sem jovens na idade da rebeldia, o Sul do país é agora conquistado, nesta altura do ano, por famílias e estrangeiros, dando um cheiro a Verão antecipado. Os indicadores são bons e há quem diga que os números se aproximam dos de 2019, antes da pandemia fazer estragos e nos obrigar a ficar fechados.

E nem a crise anunciada, devido ao aumento dos preços, parece ter inibido os portugueses de saírem das suas casas e rumarem a outras paragens nacionais. Os hoteleiros de Norte a Sul do país esperam, pelo menos, 60% de lotação e muitos acreditam que haverá, pelo menos, um dia em que a lotação estará mesmo esgotada. Com o bom tempo anunciado a partir de sexta-feira, o Algarve vai encher-se de turistas nacionais, de espanhóis, que já inundam os centros comerciais – até pela chuva que se tem feito sentir – e de cidadãos do Reino Unido.

E muitos dos portugueses deverão aproveitar o feriado do 25 de Abril para prolongarem as suas estadias por mais uma semana. “Ainda por cima, haverá Grande Prémio de MotoGP em Portimão, de 22 a 24 de abril, o que fará que aqueles que têm casa no Algarve, e que são amantes das duas rodas, prolonguem a sua estadia”, como explica ao i um hoteleiro algarvio. Mesmo que não fiquem já a semana toda, é certo que muitos voltarão para o fim de semana prolongado.

Sabida a apetência dos portugueses por boa comida é natural que muitos se tenham já preocupado em fazer a reserva nos seus restaurantes preferidos. “A partir de hoje e até domingo tenho o restaurante praticamente esgotado”, diz ao i, João Lourenço, proprietário do Paixa, em Vale de Lobo. “Até sexta-feira são mais os turistas estrangeiros, muitos dos quais residentes no Algarve, mas a partir de sexta-feira os portugueses chegam em força”, acrescenta.

 Os indicadores são bastante positivos, como mostram as perspetivas da Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA). O nível de reservas para a Páscoa é de 63%, “sensivelmente o mesmo valor que o verificado em 2019”, diz a associação, acrescentando que a estadia média prevista é de 3,9 noites.

A AHETA avança ainda que, até à semana passada, cerca de 50% das reservas são de portugueses, seguidas pelas reservas do Reino Unido e da Espanha, detalhando ainda não haver registo do impacto da inflação no aumento dos preços no alojamento nem em quebra de reservas.

E finaliza que, em média, há uma expectativa de um aumento nas ocupações de 3% face ao verão de 2019.

Com base nestes dados, o presidente do Turismo do Algarve, João Fernandes, chegou a adiantar ao Nascer do SOL que a região “prevê uma afluência muito semelhante àquela que tão bem conhecíamos no período pré-pandemia”. E detalha: “O nível de reservas para o período da Páscoa é sensivelmente o mesmo que o verificado em 2019. Estamos a falar de taxas de médias de ocupação na ordem dos 65%, com várias unidades a registarem mesmo valores superiores a 90% no fim de semana de 15 a 17 de abril, e estada média a rondar os quatro dias, com os mercados nacional, espanhol e britânico a dominarem grande parte da procura”, assinalando também “a elevada procura de golfistas para o período de março a maio”.

João Fernandes lembra ainda as mais de duas centenas de acontecimentos que se realizam na região no mês de abril, desde o Grande Prémio de Portugal de MotoGP, ao Festival de Caminhadas do Ameixial ou a Festa das Tochas Floridas.

 

Para todos os gostos e carteiras

E é possível encontrar hotéis para todos os gostos e, claro, para todas as carteiras, dependendo sempre do luxo que se quiser usufruir. Uma breve pesquisa pelo Booking com check in na quinta-feira e check out no domingo para dois adultos e uma criança permite perceber que já há hotéis sem disponibilidade para um fim de semana prolongado como é o caso do Conrad. Ainda assim, há outras hipóteses.

Neste período de tempo, o Real Bellavista Hotel & SPA (Albufeira), terá um custo de 465 euros enquanto estas três noites no Vila Luz (Praia da Luz), custarão cerca de 532 euros. Já no Morgado Golf & Country Club (Portimão), o preço ronda os 749 euros, enquanto em Vilamoura Garden Hotel, custará 669 euros. Ofertas com valores mais elevados podem ser encontradas no 3HB Guarana (Olhos D’Água, Albufeira) por 1067 euros ou no EPIC SANA Algarve Hotel (Albufeira), por 2190 euros.

E, com o aumento dos preços dos combustíveis e com as corridas às bombas, não precisa de ter medo que o combustível acabe. Fonte do setor disse ao i que, uma vez que se espera um “consumo brutal”, estradas como a A23, A2 ou A1 vão ver o stock de combustíveis preenchido.

Se as perspetivas já são boas para o fim de semana da Páscoa, segue-se depois um fim de semana prolongado com o feriado do 25 de Abril a calhar a uma segunda-feira.

 

País no mesmo rumo

E, se o Algarve conta com boas perspetivas, o mesmo acontece um pouco por todo o país. Em termos gerais, ao Nascer do SOL, a Confederação do Turismo de Portugal (CTP) mostra-se expectante para esta data. “Segundo os dados que a CTP tem tido acesso, o período da Páscoa prevê-se ser positivo para a atividade turística e será sem dúvida o melhor período de férias de Páscoa desde 2019, ainda que longe dos números do último ano antes da pandemia e que foi o melhor ano de sempre do Turismo em Portugal”, diz o presidente Francisco Calheiros. Em Lisboa, as notícias são boas e “tudo indica que a Páscoa deste ano será seguramente melhor do que os dois últimos anos, períodos pautados pelo confinamento ou por grandes restrições de viagens devido à pandemia”, disse Vítor Costa, diretor-geral da Associação Turismo de Lisboa e presidente da Entidade Regional de Turismo da Região de Lisboa.

O mesmo acontece ao centro onde, em média, os empreendimentos turísticos da região estão com reservas de quase 60% para o dia 15 e de cerca de 50% para o dia 16, revela Pedro Machado, presidente do Turismo do Centro. E há regiões como Fátima que estão lotadas.

No Alentejo, os números deverão chegar aos de 2019, diz Vítor Silva, presidente do Turismo do Alentejo.

E o presidente do Turismo Porto e Norte, Luís Pedro Martins, revela que as reservas estão já em toda a região entre 80% a 85% “e esperamos que ainda possam subir com as marcações de última hora”.

Os comentários estão desactivados.