Opiniao

A viscosidade da guerra na Ucrânia

É um fato bastante contraditório que a ideologia fascista da máfia de Biletsky tenha sido financiada pelo oligarca judeu Ihor Kolomoyskyi, que já foi auxiliado na sua actividade criminosa por “forças de segurança” seleccionadas entre adeptoss dos oito clubes de futebol que ele e vários oligarcas menores possuem.

A viscosidade da guerra na Ucrânia

por Roberto Knight Cavaleiro
Tomar   19 Abril 2022 

Até recentemente, a apreciação da Europa Ocidental pela história ucraniana na era moderna consistia em lembranças memoráveis ​​de peças cinematográficas como a Carga da Brigada Ligeira, os passos de Odessa no “Potemkin” de Eisenstein e o martelo e a foice voando sobre intermináveis ​​campos de trigo comunitários cuidados por ex-servos felizes. Mas a pesquisa mostra que o que hoje consideramos as fronteiras geográficas da Ucrânia contém um território que foi invadido, anexado, conquistado e dividido repetidamente durante os últimos dois mil anos, causando muito derramamento de sangue e sofrimento aos seus habitantes.

A migração para dentro e para fora da região não envolveu apenas os povos aborígenes eslavos, mas também gregos, fenícios, turcos, hebreus, búlgaros, hunos e a Horda Dourada dos mongóis. Esta mistura cosmopolita é mais notável nas regiões costeiras do sul e particularmente na Crimeia que, até maio de 1944, era a pátria das tribos muçulmanas tártaras. Eles foram então transferidos em massa para a Ásia Central, sendo esta a punição de Estaline pela suposta cooperação com as forças de ocupação nazis, especialmente no extermínio em janeiro de 1942 dos caraítas de ascendência judaico-khazari através do Einsatzgruppe 11 em Simferopol. A limpeza étnica da Crimeia foi concluída no mesmo ano com a deportação da população arménia, búlgara e grega. A sua reabilitação não foi legalmente permitida até á queda da URSS.

No meu ensaio “Babi Yar” (que foi publicado pelo Sol em 02 de março de 2022) tentei encapsular os horrores da Segunda Guerra Mundial na perseguição de minorias, o assassinato em massa de prisioneiros de guerra russos e a relevância disso para a igualmente horrível incursão deste ano. Lembro-me disso pelas palavras ditas em 2010 pelo líder fascista do pós-guerra do Corpo Nacional Ucraniano, Andriy Biletsky, de que “a nossa missão histórica neste século é liderar as raças brancas na sua cruzada final contra os untermenschen liderados pelos semitas. ”. Embora esse grupo raramente tenha conquistado mais do que um dígito percentual do voto popular, ele teve uma presença poderosa na política urbana através das actividades repressivas de batalhões paramilitares com cerca de 10.000 activistas que policiavam as ruas e que lembravam as SA de Hitler dos anos 1930. Em maio de 2014, esses activistas juntaram-se aos Patriotas da Ucrânia e aos grupos SNA, dos quais os regimentos Dnipro 1 e 2 e Azov foram formados para combater os separatistas pró-russos em Donetsk e nas regiões orientais da Ucrânia. Em novembro de 2014, novecentos dos “voluntários” Azov mais proficientes foram descritos como “valentes guerreiros” e incorporados na Guarda Nacional, que assumiu total responsabilidade pelo seu equipamento, pagamento e conduta futura. É este batalhão que tem atraído muita publicidade recentemente com pesquisas incisivas publicadas no Haaretz, Al Jazeera e n` O Público.

É um fato bastante contraditório que a ideologia fascista da máfia de Biletsky tenha sido financiada pelo oligarca judeu Ihor Kolomoyskyi, que já foi auxiliado na sua actividade criminosa por “forças de segurança” seleccionadas entre adeptoss dos oito clubes de futebol que ele e vários oligarcas menores possuem. Ele também foi o proprietário do popular canal de TV 1 + 1 e, portanto, patrão do actual presidente e de vários dos seus ministros que tiveram papéis  numa série de comédia de sucesso.

As contra-acusações dos chefes russos e ucranianos como sendo neonazis são bastante inúteis, pois os simpatizantes do regime de Hitler foram tratados de maneira grosseira e terminal por ambos os lados após a Segunda Guerra Mundial. Poucos dos seus descendentes desejariam preservar essa identificação, mas formas de fascismo e comunismo em várias configurações continuam vivas e fortes em ambos os países.

A beligerância que começou em fevereiro causou uma viscosidade social pela qual as facções não possuem mais identidades transparentes. Há uma terrível suspeita de que o que nos é apresentado pelos média e máquinas de propaganda de ambos os lados está a seguir um enredo sinistro e perverso que foi pré-ordenado pela elitista Nova Ordem Mundial, independentemente da morte, lesão e destruição causada á cidadania democrática civilizada.

 

 

 

 

 

Os comentários estão desactivados.