Desporto

Taça. "Boa noite Tia Maria!"

1938 – até aí chamara-se Campeonato de Portugal. Ganhou o nome de Taça de Portugal e com ele o primeiro vencedor foi a Académica.

Taça. "Boa noite Tia Maria!"

Não houve alma que fosse capaz de pôr em causa a vitória da Académica sobre o Benfica (4-3) nas Salésias no dia 25 de junho de 1939. Pela primeira vez, a competição levava o nome de Taça de Portugal já que, no ano anterior, em Congresso, a Federação Portuguesa de Futebol tinha anunciado - «a partir desta época o Campeonato de Portugal passará a ser designado por Taça de Portugal».

Eis o facto. Por mais que determinadas almas, capazes de se baterem papo a papo com o velho camarada José Estaline, possam ter o divino descaramento de querer entrar por bacocos revisionismos históricos, a realidade é tão cristalina como a água que corria pela velha Fonte dos Amores.

«O Campo das Salésias registou hoje uma formidável enchente – de fim de campeonato», escrevia o cronista do Diário de Lisboa. «O favorito, antes do jogo, apesar do élan da Académica e da sua admirável forma atlética e energia moça, e ainda a despeito dos rapazes das Amoreiras estarem tocados pela dura meia-final do domingo passado, é o Benfica, campeão das Ligas de 37 e 38». O analista fez a sua aposta mas falhou. A dura meia-final dos encarnados, a duas mãos, foram frente ao FC Porto, e o Benfica deu a volta aos 1-6 com que viera do norte para um 6-0 tão polémico que levou os portistas a abandonarem o campo antes do jogo terminar, lavados em lágrimas e em protestos.

Mas a Académica, caspite!, não ficara atrás do seu adversário. Cabendo-lhe defrontar o Sporting nas meias-finais, virou a derrota de Lisboa de 0-2 para uns tremendos 5-2 em Coimbra. Por isso se falava da energia moça e atlética dos estudantes. Entrando em campo de capa sobre os ombros, a equipa coimbrã despertava o habitual sentimento de simpatia entre os adeptos que não defendiam, nessa tarde, o seu Benfica.

Houve uma ovação tremenda quando, pelas 16h15, e depois de os jogadores terem sido cumprimentados, no relvado, pelo ministro da Educação, Carneiro Pacheco, que houvera sido professor de Direito na Universidade de Coimbra, as equipas se prepararam para o apito do árbitro António Palhinhas. E a peleja começou rija, como se queria e desejava.

A alegria estudantil

O Benfica entrou melhor e viu-se a vencer, logo aos 9 minutos, com um golo de Rogério de Sousa. Foi a vez da Académica responder em estilo: empatou por Bernardo Pimenta, aos 36, e toda a primeira parte foi de equilíbrio total e de um entusiasmo contagiante.

O melhor viria na segunda. Uma autêntica vertigem de oportunidades perigosas e de golos concretos: Alberto Gomes fez 2-1 para a Académica aos 46 minutos; Rogério empatou no minuto seguinte; no mesmo minuto (53), ArnaldoCarneiro fez o 3-2 e o 4-2 para júbilo de toda aquela malta de negro vestida. Alexandre Brito ainda reduziu para 3-4, aos 73 minutos, e deixou um terrível sabor a incertitude até ao fim.

Mas os adeptos da Académica não pareciam ter tido, nunca em tempo algum, receio da derrota. Pelo que cantavam a uma só voz: «São horas de emalar a trouxa/Boa noite, oh tia Maria/Que a malta ganhava a Taça/Já toda a gente sabia». Uma cantilena que surgiu, quase espontânea e que, no riscar de um fósforo já se escutava pelas esquinas de Lisboa por onde os estudantes andavam à procura de lugares que lhes fornecessem divertimento em barda.

O delírio era total. Na Stadium, elogiavam-se os apoiantes da Académica como sendo – «a mais aguerrida, mais junta e mais entusiástica das falanges de Portugal!».

Os jogadores-estudantes, pernoitaram na capital. Também eles teriam direito a uma uma madrugada de festa. César Machado queixava-se de estar tonto de emoção; Octaviano afirmava a sua vontade de escrever um soneto; José Maria Antunes sublinhava uma das sensações mais belas que lhe fora dado viver. Segunda-feira, o reitor Maximino Correia decretou feriado na Universidade. Nunca se vira uma multidão assim no Largo da Portagem quando o autocarro que levava os jogadores entrou, gloriosamente, na cidade do Mondego.

Os comentários estão desactivados.