Hoje Escrevo Eu

Homens ricos e pobres povos

António Costa sempre geriu dinheiros públicos, dos contribuintes nacionais ou locais, e teve a habilidade política de saber gerir o poder para, sem ter de fazer muito por isso, o conquistar ou conservar.

Homens ricos e pobres povos

Nesta semana correu mundo a notícia de que a SpaceX, do multimilionário Elon Musk, despediu vários trabalhadores que subscreveram ou difundiram uma carta aberta condenando comportamentos do fundador da empresa de alegado assédio e discriminação sexual.

Comportamentos que tinham sido imediatamente desmentidos pelo próprio e pelos mais altos responsáveis da SpaceX, que não tiveram contemplações para com quem os deu como verdadeiros – e os condenou ou simplesmente difundiu.

Sendo um dos senhores do mundo – ele, sim, um dos Donos Disto Tudo –, Musk é objeto e fonte de inúmeros rumores, boatos e notícias – muitas fake e outras não ou nem por isso – a toda a hora.

Ainda recentemente, veio dizer a todos os trabalhadores da sua Tesla que, passada a pandemia, é chegada a hora de regressarem aos seus postos de trabalho e deixarem-se de isolamentos em teletrabalho. E quem não quiser, ou melhor quem preferir manter-se a trabalhar a partir de casa pode fazê-lo... mas terá de ser noutra empresa.

Fê-lo na primeira pessoa, sem rodeios e publicamente.

Elon Musk tem uma daquelas fortunas sem explicação, mas estas tomadas de posição, entre tantas outras,  ajudam a compreender alguma coisa.

Ontem, no Jornal de Negócios, António Rios Amorim, presidente da Corticeira Amorim e vice-presidente da Business Roundtable Portugal, arrasou as recentes propostas propagandísticas de António Costa sobre o aumento do ordenado médio em 20% e a testagem da semana de trabalho de quatro dias.

Para o empresário, se o aumento do ordenado médio em 20% não passa de «wishfull thinking» do primeiro-ministro, já a semana de quatro dias «é inqualificável».

Quanto ao aumento dos ordenados, frisou que as afirmações do primeiro-ministro não passam de uma «intenção». Já sobre a semana de quatro dias, piou mais fino.

Como António Rios Amorim assegura, nenhum empresário «aceitaria crescimentos iguais ao do país» nas suas empresas. E um país que quer aumentar o crescimento, que tem um problema de mão de obra e tem de subir a produtividade não pode entrar em delírios. «Se há um problema de mão de obra e são necessárias todas as 40 horas, reduzir a disponibilidade das pessoas num horizonte temporal não vinha ajudar em nada a nossa economia», concluiu.

António Costa é um político de carreira, já com décadas de experiência na governação central e local. Independentemente das ideologias e das diferenças entre eles, essa é só por si uma clivagem abissal e inultrapassável.

Amorim ou Musk investem dinheiro deles e gerem os seus negócios próprios, familiares ou em comum com outros acionistas. Os resultados, os objetivos e as estratégias definidas são para cumprir e medem-se a cada balanço e a cada meta definida para o curto, o médio e o longo prazos.

António Costa sempre geriu dinheiros públicos, dos contribuintes nacionais ou locais, e teve a habilidade política de saber gerir o poder para, sem ter de fazer muito por isso, o conquistar ou conservar.

«Nós não queremos 500 páginas de papel com estudos absolutamente fantásticos e depois ninguém na realidade conhece nada. O que queremos é passar à ação. Tomámos este compromisso, ninguém nos pediu, porque sentimos que havia um inconformismo perante este crescimento medíocre que temos vindo a ter ao longo dos últimos anos», adiantou o vice-presidente do Business Roundtable Portugal.

António Rios Amorim fala de um conjunto de medidas ou propostas que espera que sejam bem recebidas e implementadas pelo Estado e pelas empresas portuguesas.

A crítica ao Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), que António Costa tanto propagandeou para agora estar em menos de 5% de execução, está, obviamente, implícita.

Vejamos o que se segue.

Pelo andar da carruagem, não se augura nada de bom.

Menos ainda se olharmos para o que se passa à nossa volta, no país, na Europa e no Mundo.

Onde os pobres são cada vez mais e mais pobres e os ricos, que serão sempre poucos, mais ricos.

Pode parecer até irracional ou sem explicação, mas lá que há razões para isso, há. Sobejas. E algumas só não as vê quem não as quer ver. Seja por cegueira ideológica, por outras palas quaisquer ou pela areia que atiram para os olhos dos outros.

Os comentários estão desactivados.