Opiniao

Marcelo, o novo Américo Tomás

Marcelo, o novo Américo Tomás

por Simões Ilharco

Salvaguardadas as devidas proporções e distâncias no tempo, o Presidente Marcelo assemelha-se a um novo Américo Tomás, a quem chamavam o cortafitas. A sua complacência com os dislates do Governo tem sido enorme, não passando de mera figura decorativa, tal como Tomás era.

A situação é, no entanto, mais preocupante agora, porque por detrás de Américo Tomás havia Salazar, que, mal ou bem, sabia o que fazia, ao passo que António Costa, o par de Marcelo, não sabe o que faz.

A seguir à pandemia, tivemos o pandemónio. A frase não é minha, mas tem o seu quê de verdade. A subida galopante dos preços, com total inação do Governo para a combater; a grave crise na Saúde e a palhaçada do aeroporto, com o desaguizado entre Costa e Nuno Santos, passaram ao lado do Presidente, que se limitou a dizer, na polémica do aeroporto, que cabe ao primeiro-ministro escolher os seus colaboradores. É uma afirmação tão suave, que nem sequer é uma crítica, mas antes constatação.

O pandemónio que referi merecia, sem dúvida, forte e severa reprimenda do Presidente Marcelo ao Governo, não fora a circunstância de o primeiro ser outro cortafitas, sem peso nenhum na sociedade portuguesa.

Marcelo ficará na história como o Presidente que andou com o primeiro-ministro ao colo, sem personalidade, e incapaz de dizer não, quando isso se torna necessário. Como o Presidente que consentia tudo ao primeiro-ministro.Tal como Tomás em relação a Salazar.

Soares, Sampaio e Eanes foram três grandes Presidentes - os melhores que tivemos. Marcelo fica bastante aquém deles, mormente por causa do seu segundo mandato, que tem sido desastroso. Não creio que vá sair pela porta grande.

Os comentários estão desactivados.