Entrevista Exclusiva a Giorgia Meloni, líder do Fratelli d’Italia

"Não há um italiano que pense que a democracia está em risco se eu for primeira-ministra"

Presidente do Fratelli d’Italia, partido que lidera as sondagens para as eleições de setembro, Giorgia Meloni é apontada como a próxima primeira-ministra de Itália. Em entrevista exclusiva ao Nascer do SOL, diz estar pronta para comandar a direita no regresso ao poder.

"Não há um italiano que pense que a democracia está em risco se eu for primeira-ministra"

DR  


Nas eleições de 2018, o Fratelli D’Italia obteve 4,4% dos votos. Neste momento, nas sondagens, lidera com 23% das intenções de voto. O que está por trás desse crescimento exponencial em tão pouco tempo? Considera que os eleitores querem dar voz a novos partidos e pessoas?

Os italianos apreciaram a nossa consistência. Na última eleição de 2018, declaramos solenemente a nossa relutância em nos aliarmos a partidos de esquerda, e fomos o único partido a permanecer fiel a essa posição. Durante a fase mais grave da pandemia, lutámos para conciliar o direito à saúde com o direito ao trabalho e a prosperidade económica das empresas, não descurando a ciência, mas tentando proteger as empresas das restrições mais duras na Europa, decididas sem qualquer fundamento. Estivemos na oposição, mas trabalhamos sempre para entregar propostas concretas e com espírito patriótico, nunca montados na irritação popular ou na demagogia. Estou confiante de que os italianos serão capazes de reconhecer isso.

O colapso do Governo Draghi abriu as portas para um novo processo eleitoral, mas a fragmentação do Parlamento italiano obriga os partidos a formar coligações para garantir uma maioria estável. Só a direita reúne condições para isso. É vista como líder natural deste bloco. Está pronta e disposta a negociar nesse sentido?

Na verdade, o sistema italiano tende a ser bipolar desde 1994. Hoje, o centro-direita unido governa 15 das 20 regiões da Itália, a lei eleitoral nacional também pressiona a formação de coligações, e sempre estivemos dispostos a nos unir, mas apenas aos partidos que compartilham valores connosco. Também é verdade que somos apontados como o primeiro partido em todas as sondagens, e a regra interna do centro-direita é que o partido que tiver mais votos escolha o líder da coligação. Estou pronta e o meu partido também, que tem uma classe dominante apaixonada e competente, certamente capaz de tirar a Itália da paralisia. Mas são os italianos que têm que decidir, mediante as nossas prioridades e o que podemos fazer para levantar a nação, sem prometer milagres que não podemos cumprir.

Há uma forte probabilidade de se tornar primeira-ministra e alguns meios de comunicação internacionais já expressaram preocupação com o futuro da Itália, já que o FdI é herdeiro do MSI, um movimento próximo ao fascismo de Mussolini. Descreve-se como uma democrata. Por que acha que essas associações são feitas à direita e não à esquerda?

Os média e a esquerda não têm outro argumento, especialmente durante a campanha eleitoral o ‘perigo fascista’ é um refrão cansado, no qual já ninguém acredita. Serve para unir e mobilizar o eleitorado de esquerda. De facto, se o eleitorado de esquerda tivesse que basear a sua decisão no quão fortemente a esquerda defende os trabalhadores e outros grupos socioeconómicos mais fracos, optaria por se abster de votar ou optar por nos apoiar. Não conheço um único italiano que realmente pense que o domínio democrático na Itália está em risco se o FdI entrar para o Governo. Pelo contrário, conheço milhões que lutam ao nosso lado para trazer a democracia de volta à Itália, depois de uma temporada extremamente longa em que a esquerda esteve quase constantemente no Governo sem nunca ganhar eleições. De resto, o FdI representa o partido dos conservadores italianos, a direita democrática que se reconciliou com a história e condenou todos os regimes autoritários e totalitários. Enquanto, em setembro de 2019 no Parlamento Europeu, o nosso grupo votou de forma compacta contra todos os totalitarismos, a maioria dos eurodeputados italianos de esquerda não tiveram a coragem de condenar o estalinismo.

Ao contrário da Lega ou do Forza Italia, que mantêm posições ambíguas sobre a Rússia, no contexto da guerra na Ucrânia o FdI adotou uma posição mais próxima da de Mario Draghi. Manterá o apoio e as medidas tomadas peloGgoverno anterior se se tornar primeira-ministra?

Sim. O Fratelli d’Italia condenou imediatamente a brutal agressão russa contra a Ucrânia, cuja integridade territorial e soberania nacional defendemos. Essa agressão deve ser interrompida porque se o mundo livre não conseguir mostrar que é mais forte que as autocracias, vão surgir outras situações semelhantes. Outras nações europeias serão ameaçadas, e o mesmo acontecerá em Taiwan com a China. Não podemos aceitar isso. No entanto, para manter um amplo apoio às sanções, há a necessidade, para a Europa e o Ocidente, de se dotarem de um fundo de compensação para apoiar as economias mais afetadas pela guerra. Esta será uma prioridade para nós.

Neste cenário em que a Europa enfrenta uma guerra, uma pandemia que ainda não terminou, e se prepara para uma crise económica com uma inflação galopante, quais serão as suas maiores prioridades caso chegue a primeira-ministra?

A especulação sobre os preços da energia deve ser contida. Draghi sugeriu um teto para o preço do gás na UE e a dissociação dos preços do gás e da eletricidade. Na oposição apoiámos essa posição e continuaremos a fazê-lo se os italianos nos quiserem no Governo. Garantir o apoio às famílias e às empresas afetadas pela crise deve ser a prioridade do novo Governo. Não é aceitável desencorajar aqueles que desejam gerar riqueza e empregos. Quanto à pandemia, mesmo nos momentos mais difíceis, sempre avançámos com propostas realistas que não foram reconhecidas: depois de dois anos, a ventilação mecânica ainda não foi introduzida nas escolas, e essa medida evitaria deixar os alunos no ensino à distância. São medidas racionais e de bom senso.

Draghi é uma personalidade respeitada na UE, tendo garantido importantes fundos europeus necessários para a Itália. Como vê a Itália na UE? E como acha que a UE deveria ser?

Draghi foi chamado para reescrever o plano nacional de recuperação e resiliência preparado pelo Governo anterior de esquerda. Draghi fez um trabalho melhor, mas não conseguiu reajustar algumas das propostas para se adequar a um mundo que mudou drasticamente desde 24 de fevereiro. No entanto, nos últimos dias, conseguimos garantir que esses projetos sejam aprovados rapidamente para que não percamos a segunda parcela dos fundos. Se formarmos Governo, voltaremos a discutir isso com a Comissão Europeia, numa espécie de relação que não queremos que seja de confronto mas sim franca e justa, em benefício dos cidadãos: em breve estaremos perante a tempestade perfeita e todos os recursos devem ser gastos para responder à crise e apoiar a economia. E, sobretudo, queremos agilizar o uso desses recursos. O Governo dos chamados ‘melhores’ só respondeu por 5,1 dos 46 bilhões desembolsados até agora por Bruxelas. De resto, somos a favor de uma visão confederal da Europa em que a UE faz menos coisas, mas faz melhor, com menos burocracia e maior capacidade de tomar decisões estratégicas. Se nos tivessem ouvido, hoje teríamos uma Europa mais preparada para responder à crise, mais capaz de se defender do ponto de vista militar, mais autónoma em termos de energia e matérias-primas. Da mesma forma, queremos uma Europa mais equilibrada. Nos últimos anos, o eixo franco-alemão determinou escolhas europeias em detrimento da Europa meridional e oriental, e hoje temos a crise migratória no sul e a guerra no leste. Precisamos de mais equilíbrio e a Itália que tenho em mente pode desempenhar um papel de liderança nesse sentido.

A Europa tem estado mais unida no contexto da guerra. Alinhou com o PiS polaco e com o Fidesz da Hungria, estes serão seus principais parceiros no Conselho? A eleição da Itália é um ponto de viragem para a direita na Europa? Além disso, como devem o ECR e o EPP lidar um com o outro?

A família de conservadores europeus que tenho a honra de liderar tem agora dois primeiros-ministros, o da Polónia e o da República Checa. Dois Governos que estão na vanguarda da resposta europeia à guerra que Putin criou. Orbán é atacado há anos pela Comissão Europeia e pela esquerda de forma instrumental, compartilhamos ideias em algumas questões, mas estamos distantes em outras. É por isso que o Fidesz não faz parte do ECR. Certamente que há muito entusiasmo na Europa com as eleições italianas, e muitas pessoas acreditam que uma vitória nossa pode transformar o futuro da Europa. Não faremos slogans, não aceitamos a falsa oposição entre pró-europeus e anti-europeus, entre ‘mais Europa’ a qualquer custo e ‘nenhuma Europa’. Acreditamos que precisamos de uma Europa melhor, que tenha valor acrescentado para os seus cidadãos. E nesta plataforma, dialogamos com o PPE, que nos últimos anos foi muito esmagado pela esquerda e por isso perdeu tantos votos. Também precisamos de um centro-direita forte a nível europeu.

Em parte devido às alterações climáticas, Itália, tal como Portugal, atravessa um dos piores períodos de seca da sua história. Num comício do Vox em Marbella no mês passado, lançou um ataque aos fundamentalistas climáticos por prejudicarem as economias europeias. Afinal, quem está certo, os fundamentalistas climáticos ou os fundamentalistas econômicos?

A direita italiana tem a proteção do meio ambiente no seu ADN. Não negamos os danos das alterações climáticas, mas acreditamos que a resposta imaginada até agora por Greta Thunberg e abraçada por Bruxelas corre o risco de criar um perigo terrível. As emissões poluentes são apelidadas de ‘globais’ justamente porque não podemos pensar em resolver o problema sozinhos. E se, por exemplo, exigirmos a transição total para veículos elétricos, mas não tivermos disponibilidade de lítio e formos forçados a comprar baterias aos chineses, que eles produzirão em grande parte com usinas a carvão, isso teria um impacto severo na economia europeia sem beneficiar o meio ambiente. Temo uma abordagem ideológica que descarte essas questões, das quais dependem milhões de empregos.

Nesse mesmo comício, também mencionou que o abandono do gás russo por uma transição energética verde nos tornaria mais dependentes da China, já que a maioria dos componentes para energias renováveis são fornecidos pela China. Há alguma forma de contornar isso ou defende a predominância dos combustíveis fósseis?

A transição não está em discussão, tem de ser feita e todos nós a queremos. Mas acredito que deve ser gradual (caso contrário não seria uma transição) e deve basear-se na neutralidade tecnológica. Todas as fontes de energia que nos permitem reduzir o impacto climático e a dependência de países terceiros (ainda mais se forem politicamente não confiáveis) deve ser antecipada. Seja gás natural, fontes alternativas de energia ou energia nuclear de última geração. Hoje, a UE está a pagar o preço de uma abordagem pouco pragmática que nos entregou à Rússia e corre o risco de fazê-lo amanhã à China.

É contra a imigração ilegal e tem uma posição conservadora em relação à comunidade LGBT. Acha que vai ser necessário moderar o seu discurso para conquistar o eleitorado? Ou acredita que o povo italiano a seguirá nesses dois tópicos?

Não tenho nenhuma posição hostil em relação à comunidade homossexual. Falei do ‘lobby LGBT’, ou seja, um grupo de pressão política - também formado por muitos heterossexuais - que visa desconstruir o conceito de família, impor a ideologia de género às crianças, minar os direitos das mulheres como vemos acontecer com fenómenos negativos como as barrigas de aluguer, competições desportivas femininas abertas a atletas trans, etc. Nesse conflito altamente ideológico, protegemos os direitos dos mais fracos, que são, sem dúvida, mulheres e crianças. Em relação à imigração ilegal, é óbvio que é uma questão importante em termos de identidade, integração e segurança. Com o Tratado de Schengen, a UE estabeleceu disposições tanto para a livre circulação dentro das fronteiras europeias como para a proteção das fronteiras externas. Sobre este segundo aspeto, é evidente que não está a ser feito o suficiente. Precisamos de uma política forte em relação a África e à Ásia para conter as saídas, derrubar as redes de traficantes de seres humanos, repatriar imigrantes ilegais, garantir asilo a quem realmente tem direito a ele e desmantelar o negócio de acolhimento. Medidas de bom senso que estamos dispostos a tomar, sem excluir ninguém e apenas fazendo cumprir a lei e os tratados.

 

 

Os comentários estão desactivados.