Sociedade

Militar da GNR apresenta-se ao serviço alcoolizado

Depois de ver o resultado, o jovem "apresentou um comportamento desajustado, alterado e tentou destruir as provas, nomeadamente, o registo e resultado do teste de alcoolémia".


Um militar de 21 anos da Guarda Nacional Republicana (GNR) foi detido no passado dia 15 de agosto no Posto Territorial de Nisa, em Portalegre, pela "prática dos crimes de insubordinação e desobediência". 

Num comunicado a responder a notícias hoje avançadas pelo Correio da Manhã, que davam conta de suspeitas de tortura naquele posto e de que o militar teria sido algemado e deixado seminu, a GNR esclarece que o militar apresentou-se ao serviço de patrulha, entre as 8h e as 16h, com uma taxa de alcoolemia de 1,9 g/l, comprovada por aparelho quantitativo.

Depois de ver o resultado, o jovem "apresentou um comportamento desajustado, alterado e tentou destruir as provas, nomeadamente, o registo e resultado do teste de alcoolémia", explicam.

Assim, acabou por ser detido pelo crime "de insubordinação e desobediência perante os seus superiores hierárquicos" e "conduzido à cela do posto", tendo-lhe, por "questões de segurança", sido retirada a farda que vestia.

A GNR informa ainda que "foi aberto um processo disciplinar ao militar" e "solicitado ao Centro Clínico da Guarda uma avaliação e o acompanhamento psicológico/psiquiátrico deste militar".

 

Os comentários estão desactivados.