Politica

Alemanha responde a 'estupor' de Sócrates

Três dias depois de Sócrates ter chamado “estupor” e “filho da mãe” ao ministro alemão das finanças, Berlim reage. Num tom contido e institucional, a embaixada em Lisboa diz que a Alemanha “tem apoiado Portugal na superação da crise financeira”. Não há referências pessoais, mas o texto emitido ontem vem na sequência de um pedido de reacção do Jornal de Negócios à entrevista de José Sócrates ao Expresso, em que este acusa Wolfgang Schäuble de empurrar Portugal para o resgate financeiro.

o ex-primeiro-ministro português diz na entrevista que o governo alemão estava dividido sobre o apoio ao nosso país. descrevendo um jantar em 2011, no âmbito dos seus esforços para evitar o iminente default financeiro, sócrates afirma: “a merkel está do outro lado com aquele estupor das finanças, o schäuble, que foi agora corrido. todos os dias esse filho da mãe punha notícias contra nós. e ligávamos para o gabinete da merkel e ela, com quem me dava bem, dizia que vinha do gabinete do ministro das finanças”.

a nota diplomática da embaixada, sem referir factos concretos, sublinha que “a alemanha sempre foi um parceiro fiável e tem apoiado portugal na superação da crise financeira” e continua, referindo que “assegurar a estabilidade da moeda comum, bem como emergir desta crise de forma fortalecida, com maior crescimento e emprego” foram e continuam a ser os “interesses comuns de ambos os países”. o texto da representação liderada por helmut elfenkämper conclui que “no futuro portugal poderá continuar a contar com a alemanha.

santana também já respondeu

a entrevista de sócrates ao expresso é marcada pela linguagem em que o ex-primeiro-ministro dispara contra vários políticos. de santana lopes, seu adversário nas legislativas de 2005, afirma: “insinuou num debate que eu era homossexual, queria que eu dissesse que era, era isso que ele queria. o bandalho!”

em reacção, santana lopes diz que “o tipo de linguagem” de sócrates “não é novo” e contra-ataca: “o animal feroz está a ficar raivoso”. santana, acusado pelo adversário de ter estado por trás de uma campanha para envolver sócrates num caso de corrupção, no licenciamento do freeport, ironiza, em entrevista à cmtv: “qualquer dia, vai dizer que fui eu que enviei o fax para a universidade ao domingo, ou que o tio do freeport é meu tio”.

manuel.a.magalhaes@sol.pt