Politica

'Escuteiros' rompem com Beleza

A formação de listas para os órgãos internos do PS fracturou a ala segurista. De um lado Álvaro Beleza e a facção mais moderada, do outro o grupo dos 'escuteiros', como ficaram conhecidos, liderado por Miguel Laranjeiro.

Era Álvaro Beleza, pelo lado dos seguristas, quem iria liderar o processo de acordo nas listas com António Costa. A ala afecta a António José Seguro tinha direito a cerca de 30% dos lugares nos órgãos internos. Costa acabou por afastá-los do Secretariado e ficaram apenas na Comissão Política e na Comissão Nacional. 

A lista apresentada por Beleza ao final da noite de sábado - e que andava a ser discutida há pelo menos três semanas -, acabou por não ser a mesma de domingo de manhã, surpreendendo alguns seguristas . O grupo dos 'escuteiros' liderado por Miguel Laranjeiro, com António Galamba, Miguel Ginestal, Rui Solheiro e José Luís Carneiro, pretendia alterações e a discussão prolongou-se pela madrugada. “O Álvaro é uma jóia mas inexperiente nestas coisas. Passaram-no a ferro”, afirma ao SOL um segurista. 

A ala mais moderada, com Álvaro Beleza à cabeça e Eurico Brilhante Dias, Jorge Seguro Sanches, Alberto Martins, António Braga e José Junqueiro já se começava a afastar deste núcleo duro ainda durante a campanha das primárias. “Houve uma campanha feita com menos urbanidade. Achávamos excessivo um certo tipo de discurso e isso dividiu-nos logo na altura”, conta a mesma fonte.       

Francisco Assis, ao sair do Congresso sem falar, tornou-se na face mais visível da oposição interna.  

Ideologicamente, à direita da linha que prevaleceu. Mas, para já, ninguém se posiciona para desafiar Costa.

sonia.cerdeira@sol.pt