Opiniao

Bebidas cruas

Nas rádios, na TV, nos jornais quem não vê... a histeria da alimentação e a divulgação de formas de vida saudável? A cada dia que passa aqueles que levam uma alimentação que inclui carne e peixe são considerados uns poluidores e, quase me atrevo a dizê-lo, uns selvagens. Claro que esses, os que adoram um bom cozido à portuguesa, um pato à Pequim ou um peixe na brasa, já para não falar nos impuros mariscos, são, direi mesmo, a maioria larga. Só que são silenciosos e, como tal, não são notícia. 

Bebidas cruas

Vem esta conversa a propósito da carneirada do 'saudável correcto'. Uns tantos descobriram agora as vantagens dos produtos frescos e sem químicos, os chamados biológicos, da mesma forma que entendem que quem quer viver até aos 100 anos só o pode fazer se não consumir carne e peixe. Como respeito todas as formas de vida que não interfiram com a minha, acho lindamente que as pessoas sigam o que entendem ser melhor para elas e que lhes dá mais prazer. Desde que não me obriguem a seguir o mesmo caminho, óptimo. Tenho amigos vegetarianos e quando faço jantares procuro não os defraudar, optando por fazer um prato alternativo ao nosso, que inclui, inevitavelmente, carne ou peixe.

O que acho engraçado nessa forma de vida, a saudável, é que muitos quando chegam à noite vingam-se loucamente no álcool, bebendo como se estivessem a consumir verduras cruas...  Seria engraçado, para eles, claro, imaginar a noite sem álcool, sem fumo e sem substâncias nocivas para a saúde. Em vez de existir álcool nos bares, haveria enfermeiras que iriam medindo a tensão aos convivas, na pista de dança estariam responsáveis da meditação, e nos restantes espaços servir-se-iam chás e 'detoxes'.

Claro que perante tal cenário, não faltaria quem assaltasse a roulotte em frente para comer umas belas sandes de presunto, ou, por que não, de entremeada, beber uns penáltis e fumar uns cigarros. Sacanagem à parte, parece-me que esta moda do ser muito saudável está a destruir uma das formas mais antigas de socializar: o prazer de estar à mesa enquanto se degusta uma boa carne ou peixe - que cada vez há menos - e de beber um excelente vinho enquanto não chega a hora dos digestivos. Mas cada um que faça o que lhe souber melhor... 

vitor.rainho@sol.pt

Os comentários estão desactivados.