Sociedade

Mais de 12 % dos alunos deixam o ensino superior

Um ano depois de entrarem no ensino superior, 12% dos alunos não foram encontrados em nenhum estabelecimento de ensino - ou seja, desistiram. Os dados são da Direcção-geral de Estatísticas da Educação e Ciência que em 2012 foi à procura dos alunos que se tinham inscrito pela primeira vez em 2011. O Ministério da Educação garantiu ao SOL que esta taxa de desistência «é relativamente baixa numa comparação internacional e não tem aumentado». 

 


Preocupado com este assunto, o Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas foi analisar as causas do abandono. As conclusões do estudo feito em 2013 não referem o aumento deste fenómeno mas, entre as suas causas, apontam questões financeiras. «Ainda que não possa ser exactamente quantificado, o abandono escolar baseado em dificuldades económicas existe. No entanto, não é uma situação completamente isolada e desligada dos restantes aspectos da vida do estudante», reconhecem os reitores. E acrescentam: «As medidas que provocaram a redução do número de bolseiros criaram dificuldades,  acrescidas à frequência do ensino superior por parte dos estudantes com maior vulnerabilidade económica». Em 2009, o Estado apoiou 75 mil bolseiros e, em 2013, 62 mil. Outro estudo recente da DGEEC concluiu que a taxa de abandono é mais baixa entre os bolseiros.

Orlanda Tavares, do Centro de Investigação de Políticas de Ensino Superior, diz que «estudar para ter um grau académico é entendido pelos alunos como um esforço que compensa, também, em termos económicos». «Mas muitos não conseguem suportar os custos e procuraram empregos precários, a tempo parcial ou total, para ajudar a pagar as despesas - tornando-se às vezes difícil conciliar tudo, levando ao abandono». 

rita.carvalho@ol.pt

 

 

Os comentários estão desactivados.