Economia

Venda de casas subiu 11% no primeiro semestre

Nos seis primeiros meses deste ano foram efetuadas mais de 27.900 transações imobiliárias no âmbito dos serviços Casa Pronta, o que correspondeu a um crescimento de 11% face a igual período de 2014. Os meses de março e junho foram os mais dinâmicos no primeiro semestre, com 5.029 e 4.972 registos de imóveis respetivamente.


Lisboa e Porto foram os distritos onde se verificou o maior número de procedimentos/títulos efetuados por mês, com 723 para a região da capital e 696 na área da Invicta. Seguiram-se os distritos de Braga com 352 procedimentos, e Aveiro e Setúbal com 321 procedimentos.

Segundo o Gabinete de Estudos de Mercado da Associação das Empresas e Profissionais de Mediação Imobiliária de Portugal - APEMIP relativamente ao segundo trimestre deste ano, estes números mostram que a confiança - mesmo que moderada - está de volta ao setor.

O crescimento é ligeiramente mais relevante quando associado ao número de de balcões. Comparando o número de espaços Casa Pronta em junho de 2015 com o mesmo período de 2014, observou-se um decréscimo percentual na ordem dos 0,3%, passando de 335 para 334.

A caminho dos 500 mil

Em termos acumulados, desde julho de 2007 os balcões Casa Pronta foram responsáveis por cerca de 467.700 procedimentos/títulos, dos quais cerca de 6% foram registados no primeiro semestre de 2015.

No que se refere aos distritos menos representativos em termos de registos efetuados, de janeiro a junho de 2015 salientaram-se Portalegre, com apenas 69 procedimentos; Castelo Branco com 71; e Évora com 78 procedimentos.

Já no período global de julho de 2007 a junho de 2015, os distritos com menor representatividade em termos de procedimentos foram Portalegre, Évora, Bragança, Castelo Branco e a Região Autónoma da Madeira. Estes quatro distritos e a Madeira apresentaram um valor acumulado de apenas 8%.

Ainda no período entre julho de 2007 e junho de 2015 o número médio mensal de transações por balcão Casa Pronta situou-se nas dezoito ocorrências. No primeiro semestre de 2015 essa referência situa-se ligeiramente abaixo da média, o que se explica pelo facto de o mercado estar ainda a recuperar de uma grande quebra nas transações registada nos últimos anos.

No entanto, a redução de balcões e a mais recente subida nas vendas têm permitido uma melhoria. No primeiro semestre deste ano, o valor médio de procedimentos/títulos por balcão Casa Pronta rondou as 15 ocorrências.

Numa análise de âmbito distrital, é possível observar uma elevada amplitude de resultados, que atingiram o valor médio mais elevado no Porto, em Lisboa, Braga e Setúbal, e o valor menos representativo em Portalegre e Évora.

Fonte: Gabinete de Estudos da APEMIP

piedadepedro@gmail.com