Economia

BCE dá passo inédito e adopta juros zero

A expectativa sobre a reunião do Banco Central Europeu (BCE) de hoje já era grande, e ainda assim Mario Draghi conseguiu surpreender. Para contrariar o arrefecimento económico da Zona Euro, todas as taxas de juro do banco vão descer, incluindo a principal taxa com que os bancos da zona euro se financiam, que passará a ser 0%. O programa de compras de dívida pública também vai ser reforçado.

Para aumentar a quantidade de dinheiro em circulação na economia e dessa forma estimular a actividade económica e contrariar os riscos de deflação, o Conselho de Governadores do BCE decidiu hoje atuar em praticamente todos os instrumentos de política monetária.

Na principal taxa de juros, que estava já a um nível historicamente baixo de 0,05%, vai ser reduzido para um nível de 0%, para desonerar por completo os bancos que se financiam no BCE. Ao facilitar a liquidez dos bancos, o objetivo é haver mais dinheiro disponível para empréstimos a empresas e particulares.

 Por outro lado, a taxa de depósitos no banco central também desce ainda mais negativo, de -0,3% para -0,4%. Isto significa que os bancos terão de pagar para ter dinheiro parado no banco central, em vez de canalizarem esses fundos para a economia real.

O banco atuou ainda no programa de compra de activos. Desde 2015 que o BCE está a comprar títulos de dívida pública aos bancos, o que não só reduz os juros da dívida como aumenta a liquidez dos bancos, que podem utilizar o dinheiro para novos empréstimos. O BCE estava a comprar activos no valor de 60 mil milhões de euros por mês e as compras vão ser aumentadas para 80 mil milhões de euros.

joao.madeira@sol.pt