Economia

Casas demoram mais tempo a vender e a arrendar

Investimento estrangeiro representa 20% das transações efetuadas, franceses lideram negócios

O tempo médio de venda e arrendamento aumentou, situando-se nos 9,9 e 4,2 meses, respetivamente, em abril. Estes tempos são superiores ao mês anterior: 8,2 meses e 3,7 meses. A conclusão é de um estudo realizado pelo Imovirtual Market Index (IMI), que diz que “é o pior mês desde o início do ano e que o otimismo dos agentes imobiliários diminuiu”. 

As razões para esta quebra são simples: instabilidade no mercado de trabalho (51%), desadequação do produto imobiliário existente em relação à procura (50%) e diminuição do poder de compra (29%).

Ainda assim, há vários mediadores que reconhecem um aumento das visitas realizadas por potenciais interessados (40%) e 51% garantem que conseguiram manter os negócios concretizados. Mas nem todos são da mesma opinião: 24% dos agentes imobiliários dizem que assistiram a uma diminuição da atividade. 

Já em relação aos preços, 48% dos agentes imobiliários acreditam que se irão manter a curto prazo, enquanto 47% anteveem um aumento. Em relação ao dinamismo da atividade, 68% dos mediadores esperam uma melhoria do negócio e 5% acreditam na deterioração das condições em que o mercado imobiliário opera uma opinião que, de acordo com o estudo, revela que “o pessimismo aumentou em abril”. 


Continue a ler esta notícia no Jornal i