Politica

Carlos Costa: Comissão não se entendeu sobre audição

Ainda não foi hoje que ficou decidida a audição do governador do Banco de Portugal na Comissão de Orçamento e Finanças.

O problema surgiu depois de o PCP lembrar que tinha entregue um requerimento para ouvir Carlos Costa precisamente sobre a resolução do BES a 25 de janeiro, muito antes de o governador se disponibilizar para vir ao Parlamento esclarecer os pormenores trazidos a público pela reportagem da SIC "Assalto ao Castelo".

Todos os grupos parlamentares concordaram com a proposta de realizar uma única audição, concedendo o PCP o direito à Costa de realizar uma intervenção inicial - que não é habitual nos casos em que o ouvido é chamado - e dispondo-se o PSD a ceder as primeiras perguntas ao PCP, apesar de ser o partido mais votado.

A posição "de equilíbrio", como lhe chamou Duarte Pacheco do PSD, convenceu o PS e o PCP e não obteve oposição de BE e CDS.

A oposição veio da presidente da Comissão, Teresa Leal Coelho, que insistiu na ideia de duas audições, com grelhas diferentes para que não ficasse em causa a abertura do Parlamento à disponibilidade do governador.

A discussão prolongou-se longos minutos, sem que Leal Coelho cedesse aos argumentos de PSD, PCP e PS.

Sem consenso, ficou tudo adiado para amanhã, depois de Leal Coelho falar com Carlos Costa sobre a sua disponibilidade.