Sociedade

Tancos. Ministério Público investiga suspeitas de tráfico de armas e terrorismo internacional

Procuradoria-Geral da República confirmou hoje que estão em curso investigações que apontam para uma "realidade mais vasta". Há suspeitas de crimes de associação criminosa, tráfico de armas internacional e terrorismo internacional

A Procuradoria-Geral da República acaba de confirmar que está a investigar suspeitas de que o roubo em Tancos possa estar ligado a terrorismo internacional.

A suspeita tinha sido descartada ontem na imprensa espanhola, que apontava apenas para uma rede de crime organizado citando fontes governamentais portuguesas e espanholas. O Ministério da Administração Interna desmentiu entretanto essa indicação, admitindo que as autoridades portuguesas estão a fazer tudo o que está ao seu alcance para investigar este caso. O gabinete de Constança Urbano de Sousa disse então não dispor, nem poder dispor, de informações detalhadas sobre as investigações em curso.

Através de comunicado, a PGR vem agora esclarecer a investigação em curso. A nota adianta que as investigações foram iniciadas mal houve notícias do desaparecimento de material de guerra.

"Na sequência de análise aprofundada dos elementos recolhidos, o Ministério Público apurou que tais factos, se integram numa realidade mais vasta", informa a Procuradoria-Geral da República, que refere que estão em causa suspeitas da prática dos crimes de associação criminosa, tráfico de armas internacional e terrorismo internacional.

"Atenta a natureza e gravidade destes crimes e os diferentes bens jurídicos protegidos pelas respetivas normas incriminadoras, o Ministério Público decidiu que a investigação relativa aos factos cometidos em Tancos deveria prosseguir no âmbito de um inquérito com objeto mais vasto a ser investigado no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP)", lê-se ainda no comunicado, que informa que o inquérito se encontra em segredo de justiça.

No processo, o Ministério Público é coadjuvado pela Unidade Nacional Contra Terrorismo (UNCT) da Polícia Judiciária, com total colaboração institucional da Polícia Judiciária Militar.

O roubo de armamento militar em Tancos foi tornado público na quinta-feira. Como o SOL noticiou na última edição, as primeiras informações levaram Marcelo a chamar Ferro Rodrigues e António Costa para um almoço em Belém nesse mesmo dia.

Os paóis terão sido assaltados na quarta-feira e desapareceram armas apenas de três das 20 estruturas onde são guardadas armas de guerra. A videovigilância estava avariada e a última ronda a estes paóis tinha acontecido ao final do dia de terça-feira. Foi no regresso a este local, na quarta-feira à tarde, que foi detetado um corte na vedação.

Segundo o jornal "Observador", entre os documentos a que a investigação já teve acesso encontram-se informações sobre missões internacionais realizadas pelos militares com ligações à segurança dos paiolins roubados. Estes homens terão participado em missões em países do Médio Oriente como, por exemplo, o Líbano, sendo esta alegadamente uma das pistas do inquérito na vertente das ligações ao exterior do país.