Sociedade

ASAE encontra comida podre em cantinas escolares. Já foram abertos processos crime

Queixas relativamente às refeições servidas nas cantinas escolares têm vindo a multiplicar-se

Vários alimentos em decomposição e com qualidade alterada, assim como em pleno estado de putrefação, foram encontrados pela Autoridade de Segurança Alimentar e Económica, em cantinas e refeitórios escolares. Foram abertos 20 processos crime.

“Foram instaurados 20 processos crime por géneros alimentícios corruptos, por géneros alimentícios avariados, por fraude sobre mercadorias e por corrupção de substâncias alimentares e suspensa a atividade em 13 operadores económicos/estabelecimentos”, declarou a ASAE ao Observador.

No entanto, os resultados das fiscalizações realizadas pela ASAE a cerca de 800 escolas nos últimos três anos não se ficam por aqui. Além dos processos crime, foram ainda instaurados 228 processos de contraordenação, acrescentou a mesma fonte ao mesmo jornal, explicando que na origem dos processos estiveram o “incumprimento dos requisitos gerais e específicos de higiene”, assim como a “inexistência de processo ou processos baseados nos princípios do HACCP (Análise de Perigos e Controlo de Pontos Críticos), não atualização dos documentos que descrevem o processo ou processos baseados nos princípios do HACCP, falta de inspeção periódica à instalação de gás e falta do livro de reclamações”.

Este balanço da ASAE chega depois de terem sido publicadas, nas últimas semanas, várias imagens das refeições em várias cantinas escolares e de terem sido feitas queixas relativas a estas mesmas refeições.

Recorde-se que a Federação Regional de Lisboa das Associações dos Pais- Ferlap –expôs publicamente, no mês de outubro, vários exemplos de comida sem qualidade alguma e em muito pouca quantidade, onde mostrou imagens de refeições servidas em escoldas de Oerias, Amadora e Odivelas.