Sociedade

BE e PCP querem que Educação Física conte para acesso ao ensino superior

Bloquistas e comunistas criticam reforma educativa de Nuno Crato e querem vê-la revertida

O Bloco de Esquerda e o PCP apresentaram projetos de resolução à Assembleia da República para que a Educação Física volte a contar para a nota final de acesso ao ensino superior.

Para os bloquistas, o anterior ministro da Educação, Nuno Crato, desvalorizou a disciplina “em termos da perceção social do valor da Educação Física como disciplina estruturante da formação das atitudes e dos comportamentos dos jovens”, com a retirada da nota do cálculo para a média final do ensino secundário. Uma medida que o BE considera ter um “caráter insidioso” por retirar importância à “atividade física como promotora de estilos de vida saudáveis”. 

Já os comunistas preferem criticar toda a reorganização curricular do governo PSD-CDS de 2012, chamando a atenção para o “despedimento de milhares de professores, degradação da qualidade pedagógica, e abandono do princípio da formação cultural” do indivíduo. O PCP refere, com base num estudo da Associação Portuguesa Contra a Obesidade Infantil, de setembro de 2017, que “no nosso país, 28,5% das crianças entre os dois e os 10 anos têm excesso de peso, sendo que 12,7% são obesas”. Os comunistas defendem ainda que este problema teria proporções distintas se a Constituição (art. 70) e a Lei de Bases do Sistema Educativo fossem cumpridas. 

Na resolução, o BE propõe à Assembleia da República que recomende ao executivo a avaliação das “consequências das alterações feitas pelo anterior governo” no que à Educação Física concerne, mas também que a disciplina passe a contar para o cálculo final do ensino secundário. Por sua vez, os comunistas propõem que o governo “reponha a carga horária” da disciplina em todos os ciclos e no ensino secundário e que passe a contar para as “médias globais dos alunos”. Numa perspetiva mais global, o PCP insta o governo a tomar “medidas para a integração real da Educação Física” nas escolas, garantindo as condições necessárias aos professores e alunos.