Politica

Negrão desvaloriza "teses de conspiração" em torno do caso de Barreiras Duarte

"Não gosto de teses de conspiração, eu nunca alinho com teses de conspiração", disse o líder da bancada social-democrata


As reações à recente demissão de Feliciano Barreiras Duarte do cargo de secretário-geral do PSD não têm parado. Desta vez, de Fernando Negrão, líder da bancada parlamentar do partido, defendeu que a demissão aconteceu "no tempo em que as circunstâncias se proporcionaram e se conjugaram". Um momento, considera, que podia ter vindo "mais cedo" ou, como há quem diga, "mais tarde". 

As declarações foram proferidas à margem de uma visita ao Tribunal Arbitral de Consumo de Braga. Se o caso de Barreiras Duarte pode representar um ataque indireto à liderança de Rui Rio, Negrão preferiu desvalorizar, afirmando que não gosta de conspirações. "Não gosto de teses de conspiração, eu nunca alinho com teses de conspiração. Não quer dizer que essa não seja uma tese de conspiração, não faço ideia, mas para mim o importante é o trabalho que nos espera", assegurou à agência Lusa. 

Sobre o substituto do agora demissionário secretário-geral, o líder parlamentar não revelou nomes de possíveis candidatos, focando-se no prazo dessa decisão, que será "nos próximos dias". "Não sei se ainda hoje, a reunião da Comissão Política Nacional será eventualmente para a semana", disse.