Sociedade

Há verão para lá do Algarve

O sul continua a dominar oferta e procura, mas há mais areais por descobrir pelo país fora. Por vezes até pode sair mais em conta ou ser uma experiência apenas diferente  

Os números não enganam. Neste momento no site OLX, um dos mais populares para reservar casas de férias, há 2943 anúncios disponíveis. Não é difícil imaginar onde está concentrada a grande maioria: o Algarve domina a oferta e a procura nos meses de verão, com 61% das moradias e apartamentos disponibilizados nesta plataforma, revelou ao i fonte oficial da empresa. A trajetória é mesmo impressionante, desde janeiro, o número de casas de férias disponíveis para alugar aumentou 900% no concelho de Lagoa e 700% em Faro, seguindo-se uma subida de 300% em Silves. 

Mas se o sul parece continuar a ser o rei do verão português, no top 5 dos contactos entre anunciantes e interessados desde o início do ano há outros quatro distritos que vão fazendo a sua caminhada estival: Leiria, Setúbal, Lisboa e Braga. Atualmente, se Faro continua a dominar a procura, 7% dos contactos entre anunciantes e interessados dizem respeito a casas de férias no distrito de Leiria, que apanha a costa de Peniche à Praia de Pedrógão, passando pela Nazaré ou por São Pedro de Moel. Segue-se Setúbal, com 6% dos contactos, enquanto Lisboa e Braga, distritos menos balneares mas na moda, totalizam cada um 3% dos contactos.

Fernando Neves, da imobiliária Casa’Caso, em Setúbal, não tem dúvidas que o verão vai passar cada vez mais por aqui, dado o esgotamento da oferta a sul mas também pela descoberta dos atrativos da zona. 

Por agora, porém, a procura continua a ser sobretudo de estrangeiros. E, mais do que alugueres para estadias temporárias, há muitas pessoas tentadas a comprar casa na cidade e arredores para férias, onde os preços ainda são 40% a 50% inferiores aos praticados em Lisboa. “Hoje ainda é possível encontrar um T3 em Setúbal por 180/200 mil euros e ter uma casa junto às praias. Em Lisboa custará duas a três vezes mais”, exemplifica. 

O facto de não haver assim tanta oferta de alojamento local ou aluguer à semana pode fazer com que a procura não seja maior, sobretudo porque o mercado não estava habituado a este movimento estival. Porque é que não há mais pessoas a pôr as suas casas a alugar? “O português é um bocadinho ‘Maria vai com as outras’ e têm sobretudo aberto hotéis e hosteis para responder a essa procura. Ainda estamos também a tentar perceber qual vai ser a sazonalidade”, explica o gestor. “Imagine que uma pessoa opta por tirar a casa do mercado de aluguer ao ano e depois só tem reservas em julho e agosto – acaba por não compensar. Ainda não existe movimento durante todo o ano. Acho que irremediavelmente é isso que vai acontecer, mas não sabemos se acontece este ano, no próximo ou daqui a dois anos.” 

A oferta pode ainda não ser comparável à que existe a sul, o que faz com que nesta altura não seja assim tão fácil encontrar uma boa pechincha como se se tentasse reservar mais cedo, mas basta uma pequena pesquisa para encontrar várias opções fora do Algarve, por vezes ainda com preços um pouco mais em conta. 

Analisando por exemplo a semana 5 a 12 de agosto, no Algarve há ofertas para moradias com dois quartos a partir de 80 euros/noite mas relativamente afastadas da praia. Uma semana sairá na ordem dos 600 euros. Mais perto do mar, por exemplo na Quarteira, os preços começam nos 150/160 euros por noite, mas a grande maioria das casas estão acima desse valor. Uma semana de férias para cinco pessoas relativamente perto do mar não sairá assim a menos de 1000 euros. Subindo um pouco, na zona de Odeceixe ou em Vila Nova de Milfontes ainda há algumas ofertas a partir de 120 euros, para a mesma tipologia. Na zona de Setúbal, a oferta económica já não é muita, mas na zona da Nazaré ou São Martinho do Porto ainda há casas com dois e três quartos a partir de 90/100 euros por noite.

Apesar de haver muito areal por descobrir em Portugal, com 33 praias no Alentejo ou mais de uma centena às portas de Lisboa e zona Oeste – quase tantas como no Algarve – em 2017 um estudo feito pela Trivago revelou que o Algarve continua a dominar os interesses dos portugueses. Com base nas reservas de hotéis, Albufeira continuava a ser o destino de eleição, sendo o preço médio da estadia de 142 euros/noite. A empresa dava algumas pistas sobre os destinos mais em conta para quem quer mudar a cassete algarvia. Figueira da Foz, Esposende, Ericeira, Silves, Peniche, Torres Vedras, Matosinhos, Setúbal, Póvoa de Varzim eram as recomendações no continente, a que acrescentavam por fim a Praia da Vitória na Ilha da Terceira.