Sociedade

Der Spiegel recusa que os documentos sobre a violação de Ronaldo sejam falsos

A publicação alemã afirma que confirmaram “meticulosamente os factos” das informações que receberam

A revista alemã Der Spiegel assegura que, no caso da alegada violação de Cristiano Ronaldo a Kathryn Mayorga, “não tem razões para acreditar que os documentos não são autênticos”.

“Nós confirmámos meticulosamente os factos das nossas informações e revimos tudo legalmente”, garante a publicação.

Esta quarta-feira o advogado do jogador português disse que os “documentos divulgados nos media contêm partes que foram alteradas”. Num comunicado, Peter S. Christiansen, advogado de CR7 afirma que “os documentos que supostamente contêm declarações do Sr. Ronaldo e foram reproduzidos nos media são puras invenções”.

O caso de violação que envolve o jogador da Juventus remonta a 2009, quando Cristiano Ronaldo esteve em Las Vegas e conheceu Kathryn Mayorga numa discoteca. Enquanto a norte-americana diz que foi violada pelo jogador, a defesa do capitão da seleção nacional fala em sexo consensual.

O caso está a ser investigado pelas autoridades de Las Vegas e Cristiano Ronaldo deverá ser ouvido em breve.