Sociedade

Autarca de Santo Tirso suspeito de corrupção para favorecer empresas da mulher

Município de Barcelos era dos melhores clientes das empresas da mulher do presidente da Câmara de Santo Tirso, adjudicando mais de 1,4 milhões. PJ investiga todos os tentáculos.

A teia é grande. O presidente da Câmara Municipal de Santo Tirso – detido ontem – está no centro de um mega esquema de viciação de concursos públicos e favorecimentos pessoais. Joaquim Couto e a sua mulher, Manuela Couto, também detida na Operação Teia, já tinham estado debaixo de fogo por um esquema idêntico que visava o Turismo do Porto e Norte (Operação Éter). Desta vez são suspeitos de negócios menos claros com o IPO do Porto e com a Câmara Municipal de Barcelos, cujos presidentes (Laranja Pontes e Miguel Costa Gomes, respetivamente) foram também detidos.

Mas as suspeitas não se ficam por aqui e ao que o i apurou Joaquim Couto, que é membro da comissão política nacional do PS, está a ser investigado em outros inquéritos. Além disso, no âmbito da Operação Teia não estará para já descartada a hipótese de virem a ser constituídos arguidos mais autarcas do norte.

Esta investigação da unidade de combate à corrupção da PJ do Porto, coordenada por Orlando Mascarenhas, está “centrada nas autarquias de Santo Tirso, Barcelos e Instituto Português de Oncologia do Porto”, tendo sido detetada a “existência de um esquema generalizado, mediante a atuação concertada de autarcas e organismos públicos, de viciação fraudulenta de procedimentos concursais e de ajuste direto com o objetivo de favorecer primacialmente grupos de empresas, contratação de recursos humanos e utilização de meios públicos com vista à satisfação de interesses de natureza particular”.

Na prática suspeita-se que as empresas de Manuela Couto, na área da comunicação, tenham sido escolhidas pelo IPO e pelo Município de Barcelos de forma irregular, em total desrespeito pelas regras da contratação pública. Joaquim Couto, como homem influente, terá conseguido exercer a sua influência sobre o presidente da Câmara Municipal de Barcelos e sobre o presidente do IPO Porto nesse sentido.

Leia aqui artigo na íntegra