Politica

Primeiro-ministro apela ao voto no PS durante visita à Madeira

 "Não foi preciso fazer um enorme aumento de impostos, nem ter de cortar salários e pensões para termos o défice mais baixo da democracia, bastou uma boa governação. E termos contas certas é fundamental para recuperar a credibilidade internacional do país" disse. 

 António Costa chegou este sábado à Madeira, onde decorre o comício da rentrée nacional do partido. Durante o evento, o primeiro-ministro apelou ao voto nas eleições regionais e nacionais, destacou que os próximos meses serão decisivos para o futuro de Portugal e dirigiu-se a vários grupos. 

Desde os jovens, aos portugueses espalhados pelo mundo, Costa pediu que seja dada "força ao PS para poder fazer mais e melhor para o país, continente e região autónoma da Madeira". O primeiro-ministro sublinha que não pede um "cheque em branco" ao país e diz que o PS tem "um programa para a República e para a Madeira"

Durante o seu discurso, Costa não deixou de mencionar que durante a sua liderança o país apresentou "um orçamento equilibrado" devido à sua estratégia.  "Não foi preciso fazer um enorme aumento de impostos, nem ter de cortar salários e pensões para termos o défice mais baixo da democracia, bastou uma boa governação. E termos contas certas é fundamental para recuperar a credibilidade internacional do país" disse. 

O primeiro-ministro dirigiu-se aos portugueses que se encontram espalhados pelo mundo e prometeu apoiá-los e protege-los, pois Portugal não é so o continente nem as ilhas mas sim "a a sua diáspora".

Em relação ao jovens declarou querer combater o abandono do país por parte das camadas mais jovens e querer "criar condições para as novas gerações terem confiança e liberdade de constituir a família que desejarem", daí ter criado novas medidas na legislação do trabalho, que entrarão em vigor a partir de 1 de outubro e que ajudarão a acabar com a falta de emprego.