Sociedade

"A universidade não pode ir ao talho comprar a melhor carne"

O anúncio do fim da carne de vaca, a partir de janeiro de 2020, nas cantinas da Universidade de Coimbra deu que falar esta semana. Reitor reage às críticas e mantém-se inabalável.

A partir de janeiro de 2020, a Universidade de Coimbra deixa de servir carne de vaca nas cantinas. É apenas uma das medidas no plano para atingir a neutralidade de carbono até 2030 mas o anúncio, feito esta semana aos estudantes na abertura do ano académico, gerou um vendaval de reações. Uma das mais duras foi a do ministro da Agricultura. No Facebook, Luís Capoulas Santos publicou uma fotografia com vacas em pano de fundo e uma interrogação: «Proibir ou educar? Não deixa de ser amargo constatar que até as vetustas paredes da centenária academia são permeáveis ao populismo e à demagogia». Ao SOL, Amílcar Falcão, o reitor no centro da polémica, mantém a convicção com que na terça-feira falou aos alunos. «As declarações do senhor ministro da Agricultura, penso que a titulo pessoal, ficam com ele. Não tenho de as comentar. Não sei que intuitos têm, não sei as motivações, são as declarações que ele entendeu que deveria proferir e portanto assume-as como eu assumi as minhas», diz, sublinhando que a universidade está a responder à agenda 2020/2030 das Nações Unidas e ao desafio maior das alterações climáticas.

«A universidade tem autonomia. Dentro da autonomia tomamos as medidas que entendemos que devem ser tomadas em defesa da sociedade. Creio que não houve nem há nenhuma medida tomada que seja ilegítima. As opiniões de terceiros sobre as medidas que anunciámos, que não foram apenas ligadas à carne, são também elas legítimas e portanto não tenho comentários a fazer. As pessoas têm liberdade de expressão e pensamento».

Uma medida «simbólica»

Como assumiu logo na terça-feira, Amílcar Falcão sublinha que está em causa, no que à carne diz respeito, um «gesto simbólico», que alinha com outras medidas como a substituição de plástico por materiais recicláveis, maior eficiência energética e alternativas à mobilidade que diminuam a poluição automóvel no polo universitário. «Queremos atingir a neutralidade carbónica como as Nações Unidas preconizam mundialmente. Não criamos um facto. Queremos acompanhar a tendência de preservação do planeta pelo futuro dos nossos jovens», diz ao SOL. Se é certo que o anúncio foi elogiado pelo ministro do Ambiente, houve críticas da Confederação dos Agricultores de Portugal e do CDS. O único partido a apoiar a medida foi o PAN. Amílcar Falcão garante que as medidas foram ponderadas e que esta não é uma posição contra os agricultores nem contra a carne de vaca. E se reconhece que carne biológica ou certificada poderia ser também alternativa, diz que as regras de contratação pública condicionam as opções. «As universidades não podem ir ao talho comprar a carne de melhor qualidade que lá existe. Temos de comprar carne de acordo com as regras de contratação pública. A melhor oferta que tivermos é a que temos de comprar.»

Depois de dias debaixo dos holofotes, admite que estaria à espera de reações, mas considera «extrapolações sem sentido» muitos dos comentários suscitados pelo seu discurso, nomeadamente de que foi partidarizado. De apoio ao PAN? «Não conheço o PAN, nem as pessoas do PAN, nunca falei com o PAN nem o PAN falou comigo. Não tem nenhum sentido», responde. «A universidade e o reitor não se movem nem por questões financeiras, nem económicas nem partidárias. A nossa agenda é ciência, ensino superior, inovação e apoio à sociedade na resolução de problemas. Estamos perto de eleições? Com certeza, mas a abertura das aulas sempre foi nesta data. Nós não mudámos a abertura das aulas por causa das eleições».

Faz sentido a medida?

A Universidade de Coimbra não é a primeira a anunciar o fim da carne de vaca.  O DN lembrou ontem que Cambridge avançou com a medida em 2016 e a Universidade de Londres Goldsmiths fez o anúncio este ano letivo. Sara Moreno Pires, investigadora da Universidade de Aveiro e autora de um estudo recente sobre a pegada ecológica em seis municípios, sublinha ao SOL que os estudos em Portugal apontam para três áreas urgentes de atuação: alimentação, os transportes e a proteção da biocapacidade natural. 

O projeto sobre a Pegada Ecológica dos Municípios Portugueses foi desenvolvido pela Global Footprint Network (GFN), a Zero e a universidade de Aveiro e concluiu que o consumo de produtos alimentares é atividade de consumo com mais impacto na pegada ecológica (30%), seguido dos transportes (20%). Segundo a investigadora, dentro da alimentação o maior peso é de facto o da carne, que variou entre 23% e 28% nos municípios analisados, seguindo-se o peixe (em torno de 26%). A investigadora sublinha que há outro aspeto que faz com que Portugal seja o país com maior pegada ecológica da alimentação per capita entre os países do mediterrâneo: o desperdício alimentar, que ronda perto de 17% de tudo o que é produzido a nível nacional. 

A especialista adianta que estão a desenvolver um estudo para compreender melhor o impacto de diferentes tipologias de alimentos e as conclusões indicam que a carne de vaca é a que tem mais impacto na pegada da alimentação. Em relação aos peixes, o atum e o bacalhau são os que representam mais emissões por quilo, refere. Para a investigadora, as medidas têm de ser articuladas e passar pela redução do consumo destes alimentos, do desperdício, do fomento de cadeias de curta comercialização (aproximando produtores locais e consumidores) e modos de produção biológica. E se vê a iniciativa de Coimbra como uma «mensagem forte», defende que é essencial manter uma visão global do problema.