À Esquerda e à Direita

A vitória dos profissionais da demagogia

Sou a favor do desconfinamento e acho que devemos correr o risco de ficar infetados para criarmos imunidade de grupo. Mas o que não pode acontecer é haver dois pesos e duas medidas. 

Já diz o ditado que quem semeia ventos colhe tempestades e Portugal está a pagar a bonomia dos governantes que permitiram manifestações com milhares de pessoas e querem agora condenar quem fez reuniões com menos de 200 pessoas. É lamentável e a ministra da Justiça aceitou encabeçar o movimento dos sem-vergonha que quer agora que o Ministério Público instaure uma ação indemnizatória contra os promotores da festa de Odiáxere, Lagos, onde algumas pessoas ficaram infetadas, tendo depois passado a doença a um número não determinado de outras – para já, fala-se em 90. Por acaso o Governo tentou saber quantas pessoas ficaram infetadas na manifestação contra o racismo? E no espetáculo do Campo Pequeno, onde Bruno Nogueira e sus muchachos atuaram para mais de quatro mil pessoas?

Sou a favor do desconfinamento e acho que devemos correr o risco de ficar infetados para criarmos imunidade de grupo. Mas o que não pode acontecer é haver dois pesos e duas medidas. Já se percebeu que Portugal, à semelhança do resto do mundo, está e vai enfrentar uma crise sem precedentes, não se percebendo por isso como foi possível o Ronaldo das Finanças abandonar a equipa de Portugal no jogo mais difícil que vai enfrentar.

Leia o artigo na íntegra na edição impressa do SOL. Agora também pode receber o jornal em casa ou subscrever a nossa assinatura digital.