Internacional

1º dia do julgamento de Trump: Procuradores mostram vídeo da entrada dos apoiantes no Capitólio

Roupas de combate, violência e gritos como “enforquem Mike Pence” são alguns dos pormenores que o vídeo captou do assalto ao Capitólio. "Para nós, isto parece caos e loucura, mas houve método na loucura deste dia", declarou o democrata Jamie Raskin.


Um vídeo com imagens fortes marcou o primeiro dia do julgamento político de Donald Trump. Apresentado por procuradores, o vídeo mostrou a entrada agressiva de uma multidão no Capitólio, a partir vidros e portas, acompanhada de ameaças ao vice-presidente e à presidente da Câmara dos Representantes. Também é possível ver agentes da policia a pedirem ajuda pelos rádios.

Estas imagens mostram quão perto estiveram os invasores dos congressistas e senadores, ao conseguirem encher os corredores do Capitólio de pessoas a ecoar a frase “enforquem Mike Pence”.

Foi possível detetar que os primeiros a entrar no Capitólio estavam vestidos a rigor, uniformizados, com roupa de combate e foram identificados com membros de grupos extremistas.

Recorde-se que no dia 6 de janeiro, o agora ex-vice-presidente e braço-direito de Trump, Mike Pence, estava a presidir a sessão no Congresso para confirmar a vitória eleitoral de Joe Biden. No mesmo vídeo, podemos ver Pence a ser levado rapidamente para um local seguro com a sua família, a poucos metros de distância dos invasores.

É de lembrar que Trump pediu várias vezes a Pence para censurar a transparência dos votos eleitorais que tornaram Trump no ex-presidente dos Estados Unidos.

Já a presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, foi retirada do edifício, enquanto os seus colaboradores se esconderam atrás das portas.

Os agentes policiais, assoberbados pela multidão, exclamavam "Perdemos a linha! Perdemos a linha", ao mesmo tempo, que procuravam segurança.

Neste vídeo, dá para perceber que um agente estava a ser esmagado pela multidão. Os procuradores revelaram ainda que outro sofreu um ataque de coração derivado ao momento frenético e um terceiro agente morreu mais tarde.

Ainda que muitos dos jurados do Senado já estivessem certos da sua decisão em relação à absolvição ou condenação de Trump, a exibição das imagens e as suas fortes palavras geraram alguma emoção durante o julgamento.

"Eles fizeram isto porque Donald Trump os enviou com esta missão", admitiu o procurador Stacey Plaskett, um democrata que representa as Ilhas Virgens no Congresso.

O primeiro dia de argumentos no julgamento começou com a exibição do vídeo, com os procuradores a defenderem que Trump não era um “espetador inocente”, mas sim o “incitador-chefe” do perigoso ataque ao Senado, que dedicou meses a proclamar mentiras sobre as eleições, de forma a desenvolver uma multidão de apoiantes que o ajudassem a impedir a vitória de Biden uma realidade.

Os democratas do Senado utilizaram as próprias mensagens e comentários publicados na rede social Twitter de Donald Trump para provar que este apelou aos apoiantes que fossem para o Capitólio “lutar como nunca” e assim evitar a sua derrota.

O ex-Presidente não fez nada para travar a violência, apenas assistiu com “alegria” ao ataque da multidão ao Capitólio, confessaram os democratas. Cinco pessoas perderam a vida neste incidente.

"Para nós, isto parece caos e loucura, mas houve método na loucura deste dia", declarou o representante Jamie Raskin, democrata eleito pelo estado de Maryland, que também acusou Trump de ser o incitador dos atacantes.

"E quando a sua multidão atacou e ocupou o Senado, atacou a Câmara e atacou os agentes da polícia, ele via isto na televisão como se fosse um 'reality show'", acentuou.