Politica

Chega acusa Costa de usar meios "para uma propaganda política descarada ao seu Governo"

Em causa está o caso da exoneração de Mendes Calado e a nomeação de Gouveia e Melo como Chefe do Estado-Maior da Armada. O partido liderado por André Ventura considera como "substituição precoce".  


O presidente do Chega considerou, este sábado, um ato de "propaganda política descarada" do primeiro-ministro, antes das legislativas, a exoneração de Mendes Calado e a nomeação de Gouveia e Melo como Chefe do Estado-Maior da Armada (CEMA), ao apontar esta substituição como "precoce". 

Segundo um comunicado divulgado hoje, a direção nacional do Chega acusou António Costa de usar "todos os meios ao seu dispor para uma propaganda política descarada ao seu Governo", ao indicar que vai pedir esclarecimentos sobre o assunto.

As críticas não foram apontadas apenas ao primeiro-ministro. O partido de extrema-direita também disse que a posição de Presidente da República "não só é perversa" como "é desrespeitosa da sua parte tendo em conta a sua posição de comandante supremo das Forças Armadas", uma vez que tomou esta decisão, considerada pelo Chega como uma "encenação de propaganda", "a tão poucos dias das eleições legislativas". 

Marcelo Rebelo de Sousa anunciou na quinta-feira, através do site oficial da Presidência da República, a tomada de posse do cargo de CEMA pelo vice-almirante Henrique de Gouveia e Melo como CEMA, depois de no mesmo dia o Conselho de Ministros ter aprovado propor a nomeação ao Presidente da República.

O chefe de Estado informou também que vai dar posse a Gouveia e Melo na segunda-feira, considerando "ser chegado o tempo" de exonerar Mendes Calado do cargo.

Os comentários estão desactivados.