Politica

Rui Rio nega ter proposto acordo parlamentar de dois anos com o PS

Esta segunda-feira, Costa também disse que não quer negociar acordos de governo a dois anos com o PSD de Rui Rio, ao indicar que "o país precisa mesmo é de estabilidade durante quatro anos".


O presidente do PSD negou, esta terça-feira, ter proposto ao PS um acordo parlamentar a dois anos com aquele partido, depois de o secretário-geral do PS e primeiro-ministro, António Costa, ter rejeitado essa possibilidade ontem. 

"Nunca propus um acordo parlamentar por apenas dois anos. Disse que devia ser de quatro e que se podia avaliar a meio. Aos 18 minutos da entrevista isso é claro. O Dr. António Costa e alguma comunicação social estão intencionalmente a distorcer o que eu disse", sublinhou Rui Rio numa publicação divulgada na rede social Twitter, anexando ainda a entrevista que este concedeu à RTP no passado dia 14 de dezembro. 

Esta segunda-feira, Costa disse que não quer negociar acordos de governo a dois anos com o PSD de Rui Rio, ao indicar que "o país precisa mesmo é de estabilidade durante quatro anos".

Durante a entrevista à CNN Portugal, o líder do Governo respondeu que não aceita negociar um acordo de governo a dois anos, se o PSD vencer as eleições. "Não. Esse é um cenário que nunca se colocará", disse o primeiro-ministro, ao considerar que a ideia avançada por Rio resulta de uma "proposta de quem não tem experiência da ação governativa, porque o que ele propõe é que haja uma espécie de acordo para um governo provisório de dois anos".

"Ora, o país não precisa de governos provisórios de dois anos, o país precisa mesmo é de estabilidade durante quatro anos. Precisa de uma solução para quatro anos", assinalou António Costa. 

Rui Rio admitiu a 15 de novembro, numa entrevista à Antena 1, que podia negociar um acordo parlamentar com o PS para pelo menos meia legislatura, em caso de resultar das legislativas um governo minoritário de um dos dois partidos.

Nessa mesma entrevista, o líder do PSD confirmou que prefere abdicar de formar Governo se tal precisar do apoio do Chega no executivo, ao afirmar que, a título pessoal, é "tendencialmente" a favor de uma coligação pré-eleitoral com o CDS-PP. Esta ligação acabou por ser rejeitada pelo PSD após reuniões internas, aquando Rui Rio renovou o seu lugar na liderança dos sociais-democratas. 

Para Rui Rio, o PSD irá aliar-se a CDS-PP e Iniciativa Liberal para obter a necessária maioria no parlamento. 

Os comentários estão desactivados.