Sociedade

Relação rejeita reclamação de Ricardo Salgado

Em causa está uma reclamação da defesa do ex-presidente do BES Ricardo Salgado, que alegava a prescrição de uma coima de 65 mil euros aplicada pelo Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão (TCRS).

Relação rejeita reclamação de Ricardo Salgado

O Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) rejeitou uma reclamação da defesa do ex-presidente do BES Ricardo Salgado, que alegava a prescrição de uma coima de 65 mil euros aplicada pelo Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão (TCRS).

Segundo o acórdão do TRL, a que a Lusa teve acesso, a reclamação defendia a prescrição da coima de 65 mil euros correspondente a uma alegada contraordenação em sede de reporte de relatório de prevenção de branqueamento de capitais, datada de 27 de junho de 2013, sustentando que o prazo de prescrição ultrapassara o máximo de oito anos (já com os períodos de suspensão e interrupção de procedimento) e expirara em 4 de dezembro de 2021.

A defesa argumentava que existia uma “violação do princípio da aplicação retroativa da lei contraordenacional posterior desfavorável ao arguido”, do princípio da proporcionalidade e das garantias de defesa do arguido, por considerar que a Lei 25/2008 vigorava à data dos factos e não a Lei do Combate ao Branqueamento de Capitais e ao Financiamento do Terrorismo, de agosto de 2017, que substituiu a primeira e veio aumentar o prazo de suspensão da prescrição destes ilícitos para dois anos e meio ou cinco anos, mediante o valor das coimas associadas às infrações.

“A mesma deve ser revogada por esta conferência e substituída por acórdão que ordene a baixa do processo e a sua remessa ao Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão, para redução da condenação do recorrente e reajuste do cômputo da coima que lhe foi fixada em cúmulo jurídico” [290 mil euros], invocou a defesa de Ricardo Salgado.

Contudo, o TRL concluiu que “a prescrição do ilícito contraordenacional pelo qual o recorrente foi condenado, e que é objeto deste requerimento (ou qualquer dos ilícitos em causa nos presentes autos) não ocorreu em 4 de dezembro de 2021 e está ainda muito longe de ocorrer”, julgando a reclamação “improcedente” e rejeitando qualquer “interpretação inconstitucional” neste contexto.

“Não tendo a nova Lei criado um novo prazo de prescrição, nem tendo criado uma nova causa de suspensão da prescrição (…), tendo-se limitado a aumentar a duração do prazo dessa suspensão, a lei aplicável deverá ser a da data da prática do ato que determina essa causa de suspensão”, lê-se no acórdão, cita a Lusa.

O documento acrescenta ainda que o anterior prazo de seis meses “era manifestamente desajustado à realidade” devido à “dimensão e complexidade”.

Os juízes relembraram também que o acórdão anterior da secção de Propriedade Intelectual, Concorrência, Regulação e Supervisão do TRL está pendente de um recurso no Tribunal Constitucional e que, segundo o enquadramento legal instituído em 2017, essa situação eleva para o dobro o período de tempo da suspensão de prescrição, ou seja, mais cinco anos.

“Trata-se da introdução de uma alteração na contagem do prazo de suspensão da prescrição em curso, não da criação de um novo prazo de prescrição”, sustentam.

Os comentários estão desactivados.