Politica

Hugo Pires vendeu empresa com passivo de 1 milhão

A CRIAT, vendida a uma empresa agrícola ligada ao lóbi do lixo, não tem ativos relevantes.


A CRIAT  – Arquitetura & Reabilitação Urbana, empresa que foi detida até 2021 pelo recém-empossado secretário de Estado do Ambiente, Hugo Pires, e que foi vendida a uma empresa agrícola sediada em Braga, tinha um passivo financeiro de 966 781 euros e resultados negativos acumulados  que ascendiam aos 156 mil euros.

De acordo com o relatório de contas da empresa, referente ao ano de 2021, a que o Nascer do SOL teve acesso, do total do passivo, as obrigações financeiras da CRIAT prendiam-se com despesas a fornecedores, adiantamentos de clientes, financiamentos obtidos e outras contas a pagar.

Já do total de prejuízos acumulados, cerca de 120 mil euros diziam respeito a anos transatos, e os restantes 36 mil euros eram referentes ao ano de 2021.

O Nascer do SOL tentou contactar Hugo Pires, mas não obteve qualquer resposta.

Tal como o nosso jornal noticiou a semana passada, o secretário de Estado do Ambiente vendeu em 2021 a CRIAT à Penedo do Frade, detida pelas irmãs Lucinda Isabel Guimarães Gomes Marques e Adelaide Sofia Guimarães Gomes Marques. Esta sociedade agrícola sediada em Braga cultivou vários hectares de vinha num aterro sanitário do grupo Semural, Waste & Energy SA, cuja atividade principal, é o tratamento de lixo e resíduos, incluindo a importação de lixo radioativo. As duas irmãs são também acionistas deste grupo empresarial que esteve ainda envolvido na polémica relativa ao aterro sanitário de Sobrado, em Valongo.

Os comentários estão desactivados.