Avatar de Rui Moreira

Rui Moreira


  • O esqueleto de Mata Hari

    Também me causa confusão e espanto que algumas destas personalidades que serviram Portugal e desempenharam funções na NATO tenham acesso a informações privilegiadas.


  • Dois pesos e duas medidas

    O facto de um determinado país ser uma democracia –como é o caso de Israel – não impede que sejam violadas as leis internacionais.


  • A lição americana

    A crise de confiança nas instituições democráticas que se vive nos Estados Unidos deve fazer-nos refletir.


  • A Europa das cidades

    A União Económica e Monetária retirou aos Estados-membros preciosos instrumentos de soberania. Por isso, estão renitentes em partilhar o poder que lhes resta com as cidades


  • Desmancha-prazeres me confesso

    A opção Alcochete implica construir uma terceira travessia sobre o Tejo, infraestrutura que a CTI ignorou na sua avaliação comparada por a considerar, em qualquer caso, inevitável.


  • Pela Justiça livre e independente

    Não podemos viver debaixo de uma permanente autossuspeição, ao sabor das teorias da conspiração, da crescente desconfiança, dos rumores de que tudo resulta de cabalas…


  • O texto que o ‘Público’ recusou

    É bom que se perceba que os crimes de ódio são uma questão civilizacional, que a todos diz respeito e a todos compromete. 


  • A noção das coisas

    Urge intensificar a cooperação entre Portugal e as suas antigas colónias, com uma política ambiciosa na área da formação.


  • A falsa narrativa

    Se a Mercearia do Bolhão tivesse entre os seus clientes regulares metade daqueles que agora se indignam nas redes sociais, o proprietário estaria empenhado em manter o negócio.


  • Pela tolerância

    Os 50 anos do 25 de Abril deveriam ter a tolerância como valor fundamental e pedra basilar da nossa convivência.


  • Engarrafados

    É inevitável tomar medidas dissuasoras do transporte individual, o que passa por tributar a entrada e saída dos centros urbanos e por aumentar o custo do estacionamento.


  • Zeitenwende

    Se Merkel era uma líder política sólida, decidida e afirmativa, Scholz é o oposto.  


  • Não há bela sem senão

    Se é verdade que a imigração ajuda a resolver alguns problemas, também não podemos escamotear que agrava outros. Não há, de facto, bela sem senão…


  • Com a segunda volta à vista

    A AD deve tentar governar em minoria, abrindo-se a propostas das oposições que não inviabilizem o seu programa.


  • A (quase) maioria silenciosa

    Temos um problema de governabilidade. Porque Montenegro vai cumprir, não vai ceder ao facilitismo nem trair a promessa que fez aos portugueses.


  • Agora é mesmo a sério

    Será um caso de estudo avaliar por que motivo o PS sempre ajudou o Chega a esvaziar o PSD pela direita em vez de tentar monopolizar o que ainda resta do centro


  • Linhas vermelhas

    Era exigível que, neste cenário internacional, o PS definisse também uma linha vermelha como Montenegro


  • Democracia sincopada

    Deveria ser o Parlamento regional da Madeira, dentro do atual quadro, procurar uma solução governativa.


  • A maré branca

    Ou se aposta mais no combate ao tráfico, não assumindo que é uma luta perdida, ou se formaliza o mercado, como sucede com o tabaco ou o álcool.