Politica

Seguristas pedem 'equipa mista' na AR

A eleição da nova direcção na bancada do PS é encarada pelo sector segurista como o primeiro momento para conhecer os planos de António Costa para unir o partido. A expectativa é grande. “Se Costa quiser dar sinais no sentido do reforço interno irá formar uma equipa mista”, ou seja com deputados que apoiaram Seguro, diz uma fonte da actual direcção parlamentar.

Com a demissão do líder, Alberto Martins, será eleito um novo presidente do grupo parlamentar, sendo o nome de Ana Catarina Mendes, a directora de campanha de Costa, o nome mais falado para o lugar. “A eleição deve demorar apenas alguns dias”, diz a mesma fonte, e, de seguida, o novo líder elegerá a sua equipa de vice-presidentes.
 
Do lado dos apoiantes de Costa, porém, há quem não se entusiasme com a inclusão de apoiantes ‘do outro lado’. Um deputado da primeira linha costista faz notar ao SOL que “O grupo parlamentar apoia esmagadoramente António Costa”, ou seja, não é obrigatório que faça pontes.
 
A solução de Costa pode influenciar a atitude que os seguristas irão adoptar nas directas para secretário-geral e no congresso. Há quem defenda a apresentação de uma candidatura contra Costa, que será para perder, mas garantirá a presença na Comissão Nacional e noutros órgãos dirigentes. Mas o fraco resultado nas primárias é um argumento usado por outros socialistas para não avançar com essa candidatura, que poderá ter um “desfecho humilhante” -- diz ao SOL um membro do círculo do até agora secretário-geral socialista.
 
“Daí a importância do sinal que Costa pode dar no grupo parlamentar. Se incluir opositores estará a passar uma mensagem de que vai unir o partido”, explica um deputado. De acordo com esta avaliação, se Costa optar por uma direcção parlamentar mista, os homens de Seguro ficarão com uma expectativa positiva, prescindindo de uma candidatura própria no congresso e de um candidato próprio a secretário-geral nas eleições directas.
 
Cauteloso, um dirigente pede paciência: “Temos de esperar. Quem teve um resultado como António Costa teve nas primárias não deve ser pressionado. Deve ter uma semana para pensar e respirar”.
  
Projecto para reduzir deputados cai
 
A questão da liderança do grupo de deputados será abordada amanhã, numa reunião da bancada parlamentar do PS. Outro tema em cima da mesa é o agendamento projecto de redução de deputados e de criação de novas incompatibilidades entre a função parlamentar e a actividades profissionais. Uma proposta, assinada por António José Seguro e Alberto Martins, que incendiou os ânimos nas alas costista e segurista do grupo parlamentar.
 
O projecto deve cair ou a sua análise ser adiada. “O que é prudente é ‘fazer stop’ nisso até termos nova direcção da bancada parlamentar. Não está sentido estar a forçar”, defende um elemento da actual direcção da bancada. António Costa, durante a campanha das primárias, recorde-se, afirmou que em caso de vitória deixaria cair o projecto, que qualifica de “populista”.

* Com Sónia Cerdeira
 

manuel.a.magalhaes@sol.pt